Início Lusofonia Guiné-Bissau Presidente da Guiné-Bissau rende homenagem a “líder imortal” Amílcar Cabral

Presidente da Guiné-Bissau rende homenagem a “líder imortal” Amílcar Cabral

25
0

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, rendeu hoje homenagem ao “líder imortal” Amílcar Cabral, “fundador das nacionalidades cabo-verdiana e guineense”, assassinado há 50 anos em Conacri, considerando ser um dia de “tristeza”, mas também de “reflexão”.

“É com tristeza que comemoramos esta data ímpar do assassinato do líder imortal, que é fundador das nacionalidades da Guiné e Cabo Verde, Amílcar Lopes Cabral”, afirmou Umaro Sissoco Embaló.

O chefe de Estado falava aos jornalistas após ter depositado uma coroa de flores no mausoléu de Amílcar Cabral, situado na Fortaleza da Amura, onde está instalado o Estado-Maior das Forças Armadas da Guiné-Bissau.

Publicidade

“Tínhamos de render esta homenagem dos 50 anos da morte de Amílcar Cabral e eu, enquanto Presidente da República, vim depositar uma coroa de flores e render homenagem ao líder dos combatentes da liberdade da pátria”, afirmou o chefe de Estado, lembrando João Bernardo ‘Nino’ Vieira, antigo Presidente guineense, assassinado em 2009 e que fez a proclamação unilateral da independência da Guiné-Bissau, a 24 de setembro de 1973.

“Hoje acabei também de condecorar com a mais alta distinção [do Estado] as senhoras Adja Satu Camará, Francisca Pereira, Teodora Inácia Gomes e Josefina [Zezinha] Chantre, eram companheiras de Amílcar Cabral, mulheres”, disse.

Considerando que o dia é “tristeza e de reflexão”, o Presidente guineense salientou que o país celebra este ano os 50 anos de independência e que a balança pesa para o “mal”.

“Vamos comemorar 50 anos de independência e se olharmos para trás para ver o que fizermos de bom e de mal. A balança pesa para o mal que fizemos uns aos outros. Matar uns aos outros, não”, afirmou Umaro Sissoco Embaló.

O chefe de Estado salientou também que a sua geração deve ser a da “concórdia nacional, da paz e do desenvolvimento”.

“Eu penso que o Cabral também sonhava ver a Guiné-Bissau como uma Nação que deve ser respeitada e eu hoje reposicionei a Guiné-Bissau no concerto das nações, nós hoje somos comunidade internacional, tínhamos perdido a autoestima, mas conseguimos resgatar a autoestima”, disse.

O Presidente pediu também ao chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas para acabar com a desordem de toda as pessoas irem à Amura prestar homenagem a Amílcar Cabral.

“Se o PAIGC vem, o Madem vem, o PRS e também podem vir e todos os partidos legalizados da Guiné-Bissau. A partir de hoje é um ato meramente das personalidades do Estado e no dia em que transformarmos a Amura num museu nacional, porque há um projeto, todos podem vir fazer as suas homenagens, mas enquanto for assim, tem de ser reservado até pela própria dignidade do Estado”, afirmou o Presidente.

Antes de Umaro Sissoco Embaló chegar ao local, já lá tinham estado o embaixador de Cuba e da Venezuela a prestar homenagem, o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), bem como alunos de várias escolas de Bissau.

Artigo anteriorLuxemburgo: Controlos de velocidade (21 janeiro)
Próximo artigoMacron propõe aumento das despesas militares da França para enfrentar ameaças

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui