Início Conflitos Portugueses entre europeus que rejeitam cedência de território por Kiev

Portugueses entre europeus que rejeitam cedência de território por Kiev

38
0

Os portugueses estão entre os europeus que se opõem a que a Ucrânia prescinda de território para terminar a guerra com a Rússia, ao contrário do que pensam austríacos e alemães, segundo uma sondagem europeia.

O inquérito, realizado em dezembro em nove países da União Europeia (UE) pela rede Euroskopia, resultou num apoio de quase metade (48%) dos inquiridos a um fim rápido da guerra, mesmo que isso signifique que a Ucrânia abdique de partes do seu território.

Os resultados mostram que a Áustria (64%) é o país em que esta opção registou maior apoio, seguida de Alemanha (60%), Grécia (54%), Itália (50%) e Espanha (também 50%), disse a Euroskopia no seu ‘site’, consultado hoje pela Lusa.

Publicidade

Em Portugal, 45% dos inquiridos opuseram-se à ideia de a Ucrânia desista de partes do seu território para acabar a guerra que a Rússia iniciou há quase um ano, em 24 de fevereiro.

Também 48% dos cidadãos nos Países Baixos e 42% na Polónia rejeitaram essa hipótese, segundo a mesma fonte.

O estudo foi realizado na Alemanha, Áustria, Espanha, França, Grécia, Itália, Países Baixos, Polónia e Portugal.

Pelas informações disponibilizadas no ‘site’, foram inquiridos mil adultos em cada país, num total de 9.000 entrevistas.

A Euroskopia é uma rede de empresas de pesquisa de mercado europeias que tem a Pitagórica como parceira em Portugal.

Depois de ter anexado a Crimeia em 2014, a Rússia declarou, no final de setembro do ano passado, que as regiões ucranianas de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia passaram a fazer parte da Federação Russa.

A anexação dos cinco territórios não foi reconhecida pela Ucrânia nem pela generalidade da comunidade internacional.

As autoridades de Kiev exigem a devolução dos territórios anexados como condição para negociar um acordo de paz com Moscovo.

Essa condição faz parte de um plano de paz que o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, apresentou em novembro, ao participar numa cimeira do G20, o grupo que reúne as 19 economias mais desenvolvidas e a UE.

Desde então, Zelensky tem reafirmado que a questão da restauração da integridade territorial da Ucrânia não é negociável.

Já Moscovo rejeitou tal condição para negociar o fim da guerra, argumentando que Kiev tem de aceitar as “realidades de hoje”, como lhe chamou o porta-voz do Kremlin (Presidência), Dmitri Peskov, em dezembro.

Artigo anteriorTAP: Tribunal de Contas avança com auditoria à companhia área
Próximo artigoEstudo da Universidade de Coimbra analisa impacto da covid-19 na perceção da qualidade de vida por residentes e turistas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui