Início Conflitos Brasil: Polícia interrogou e prendeu mais de mil pessoas após invasões em...

Brasil: Polícia interrogou e prendeu mais de mil pessoas após invasões em Brasília

46
0

A polícia brasileira identificou, interrogou e prendeu 1.159 ‘bolsonaristas’ envolvidos nas invasões e vandalização das sedes dos três poderes em Brasília, ocorridas no último domingo, segundo um balanço da Polícia Federal.

Em comunicado, a Polícia Federal adianta que os detidos foram entregues à Polícia Civil do Distrito Federal, responsável pelo encaminhamento ao Instituto Médico Legal e, posteriormente, ao sistema prisional.

“Ao todo, 1.843 pessoas foram conduzidas pela Polícia Militar do Distrito Federal para a Academia Nacional de Polícia. Todos os detidos foram identificados pela Polícia Federal e irão responder, na medida de suas responsabilidades, por crimes de terrorismo, associação criminosa, atentado contra o Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, perseguição, incitação ao crime, entre outros”, refere a Polícia Federal.

Publicidade

A autoridade policial também rejeitou denúncias feitas de maus-tratos feitas por detidos.

“Durante toda a ação, os detidos receberam alimentação regular [pequeno-almoço, almoço, lanche e jantar] e hidratação. As equipas médicas estiveram disponíveis durante todo o período, tendo sido realizados 433 atendimentos. Desses, 33 pacientes foram levados para unidades de saúde”, afirmou a Polícia Federal.

Já o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão responsável por exercer o controlo da atuação administrativa e financeira do poder judiciário no Brasil, informou também num comunicado que foram presas presas em flagrante, identificadas e ouvidas pela Polícia Federal e pela Polícia Civil do Distrito Federal um total de 1.418 pessoas.

Deste total, 222 foram presas na Praça dos Três Poderes e 1.196 foram presas no acampamento em frente ao Quartel General do Exército.

Também foram identificadas e libertadas sem interrogatório, por questões humanitárias, 599 pessoas (idosos, pessoas com problemas de saúde, em situação de rua e mães acompanhadas de crianças).

O CNJ destacou ainda que face ao grande número de audiências de custódia dos presos a serem realizadas e em virtude da estrutura necessária à sua consecução no menor tempo possível, o Supremo Tribunal Federal delegou em outros tribunais a realização das referidas audiências.

A previsão é que todas as audiências dos detidos nos atos de vandalização em Brasília estejam concluídas até ao próximo domingo.

Apoiantes do ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro invadiram e vandalizaram no domingo passado as sedes do Supremo Tribunal Federal, do Congresso e do Palácio do Planalto, em Brasília, obrigando à intervenção policial para repor a ordem e suscitando a condenação da comunidade internacional.

A invasão começou depois de militantes da extrema-direita brasileira que apoiam o anterior presidente, derrotado por Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições de outubro passado, terem convocado um protesto para a Esplanada dos Ministérios, na capital brasileira.

Entretanto, o juiz do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes afastou o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, por 90 dias, considerando que tanto o governador como o ex-secretário de Segurança e antigo ministro da Justiça de Bolsonaro Anderson Torres terão atuado com negligência e omissão.

Torres é alvo de um pedido de prisão que ainda não foi cumprido por se encontrar em viagem aos Estados Unidos da América.

Artigo anteriorArtur Soares Dias arbitra pela sétima vez dérbi entre Sporting e Benfica
Próximo artigoTribunal da Relação de Évora admite instrução de Eduardo Cabrita

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui