Início Conflitos Bombardeamentos prosseguem apesar da trégua anunciada por Moscovo

Bombardeamentos prosseguem apesar da trégua anunciada por Moscovo

62
0

Os duelos de artilharia prosseguiram hoje em Bakhmut, epicentro dos combates no leste da Ucrânia, com bombardeamentos em outras zonas do país, apesar do anúncio por Moscovo de um cessar-fogo unilateral de 36 horas, denunciado como uma “manobra” por Kiev.

Diversos disparos provenientes dos dois lados em conflito foram percetíveis após o início do cessar-fogo nesta cidade com as ruas destruídas e quase deserta, mas a sua intensidade era menor face aos dias precedentes, indicou a agência noticiosa AFP. 

Pavlo Diatchenko, um polícia de Bakhmut, assegurou que a trégua constitui “uma provocação” russa que não vai ajudar os civis que ainda permanecem na cidade. “São bombardeados dia e noite e quase todos os dias há pessoas mortas”, disse, citado pela AFP.

Publicidade

O exército russo assegurou respeitar a trégua, mas acusou as tropas ucranianas de “prosseguirem o bombardeamento de cidades e das posições russas”.

O chefe adjunto da administração presidencial ucraniana, Kyrylo Tymochenko, registou dois ataques russos em Kramatorsk (leste), que terão atingido um edifício residencial se provocar vítimas. Antes da trégua, tinha referido um bombardeamento russo sobre Kherson (sul).

Na região de Lugansk (leste), segundo responsáveis ucranianos, foram assinalados 14 disparos de artilharia e três assaltos russos, com os civis a permanecerem nos abrigos.

Por sua vez, as autoridades separatistas russófonas do leste da Ucrânia revelaram que as forças ucranianas voltaram a bombardear o seu bastião de Donetsk, antes e após a entrada em vigor teórica do cessar-fogo, anunciado na quinta-feira pelo Presidente russo Vladimir Putin.

A Presidência russa (Kremlin) afirmou na quinta-feira que Putin respondeu a um apelo do patriarca da Igreja Ortodoxa Russa para uma trégua durante as celebrações natalícias, ordenando um cessar-fogo ao longo de toda a linha de contacto na Ucrânia desde as 12:00 (de Moscovo, 09:00 de Lisboa) de 06 de janeiro deste ano até à meia-noite de 07 de janeiro (21:00 de Lisboa).

Mykhailo Podolyak, conselheiro do Presidente ucraniano, qualificou de “hipocrisia” o anúncio de Putin e disse que “apenas se a Rússia deixar os territórios ocupados será possível uma ‘trégua temporária'”.

O Presidente dos EUA, Joe Biden, disse que Putin está a tentar “ganhar fôlego”, com o anúncio de um cessar-fogo, depois de ter estado” em 25 de dezembro e no Ano Novo 

Também a chefe da diplomacia alemã desvalorizou o cessar-fogo russo, afirmando que “se Putin quisesse a paz, retiraria os seus soldados para casa”. “Aparentemente, [Putin] quer continuar a guerra, depois de uma breve interrupção”, considerou Annalena Baerbock.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou até agora a fuga de mais de 14 milhões de pessoas – 6,5 milhões de deslocados internos e mais de 7,9 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Neste momento, 17,7 milhões de ucranianos precisam de ajuda humanitária e 9,3 milhões necessitam de ajuda alimentar e alojamento.

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.919 civis mortos e 11.075 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Artigo anteriorIPMA alerta para “novo episódio” de chuva forte no fim de semana em especial no Minho
Próximo artigoLuxemburgo: Controlos de velocidade (7 janeiro)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui