Início Economia Energia Irão arranca com construção de nova central nuclear

Irão arranca com construção de nova central nuclear

90
0

O Irão iniciou hoje a construção de uma nova central nuclear no sudoeste do país, em pleno período de protestos antigovernamentais e de repressão do regime de Teerão, revelou hoje a televisão estatal iraniana.

A nova central de 300 megawatts, conhecida como Karoon e localizada na província iraniana de Khuzestan (perto da fronteira com o Iraque), vai levar oito anos a ficar concluída e custar cerca de dois mil milhões de dólares. Na cerimónia de inauguração da obra esteve Mohammed Eslami, chefe da Organização Civil de Energia Atómica do Irão, que revelou pela primeira vez os planos de construção de Karoon em abril.

O anúncio da construção da central de Karoon surgiu menos de duas semanas após o Irão ter declarado que tinha começado a produzir urânio enriquecido com 60% de pureza na instalação nuclear subterrânea Fordo, uma mudança que é vista como um acréscimo significativo ao programa nuclear do país.

Publicidade

O enriquecimento a 60% de pureza está a um curto passo técnico dos níveis de pureza de armas de 90%. Os peritos em não-proliferação advertiram nos últimos meses que o Irão tem agora urânio enriquecido a 60% em quantidade suficiente para reprocessar para pelo menos uma bomba nuclear.

A medida foi condenada por Alemanha, França e Reino Unido, as três nações da Europa ocidental que permanecem no acordo nuclear com o Irão, após os Estados Unidos terem abandonado o Acordo em 2018. As recentes tentativas de reavivar o acordo nuclear de 2015, que aliviou as sanções ao Irão em troca de restrições ao seu programa nuclear, estagnaram.

Desde setembro que o Irão é assolado por protestos que têm vindo a marcar um dos maiores desafios à sua teocracia desde os anos caóticos após a sua Revolução Islâmica de 1979.

Os protestos foram desencadeados quando Mahsa Amini, 22 anos, morreu sob custódia a 16 de setembro, três dias após a sua prisão pela polícia moral do Irão por violar o rigoroso código de vestuário das mulheres da República Islâmica.

O governo iraniano insiste que Amini não foi maltratada, mas a sua família diz que o seu corpo mostrou hematomas e outros sinais de espancamento após a detenção.

Numa declaração emitida pela agência noticiosa estatal IRNA hoje, o conselho de segurança nacional do país anunciou que cerca de 200 pessoas foram mortas durante os protestos, a primeira palavra oficial sobre as baixas. Na semana passada, o general iraniano Amir Ali Hajizadeh contou o número de mortos em mais de 300.

Os números contraditórios são mais baixos do que os registados pelos Ativistas dos Direitos Humanos no Irão, uma organização sediada nos EUA que tem acompanhado de perto o protesto desde o seu início.

Na sua atualização mais recente, o grupo afirma que 469 pessoas morreram e 18.210 foram detidas nos protestos e na violenta repressão das forças de segurança que se seguiu.

Artigo anteriorPolícia ucraniana impede tentativa de roubo de obra atribuída a Banksy
Próximo artigoMundial2022: Países Baixos nos ‘quartos’ ao baterem Estados Unidos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui