Início Economia Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona...

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

76
0
Pierre Gramegna, Ministro das Finanças(Luxemburgo)

O antigo ministro luxemburguês das Finanças Pierre Gramegna foi hoje nomeado diretor executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), depois de o Luxemburgo ter retirado esta candidatura, quando Portugal também o fez com a de João Leão.

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor executivo”, que ocupa a partir de 01 de dezembro.

O anúncio surge depois de, em setembro, o Governo português ter anunciado que retirou a candidatura do ex-ministro das Finanças João Leão ao cargo de diretor executivo do MEE, num acordo com o Luxemburgo, que também abdicou do seu candidato, Pierre Gramegna.

Publicidade

Na nota hoje divulgada, o presidente do Eurogrupo e líder do Conselho de Governadores do MEE, Paschal Donohoe, anuncia que a estrutura “nomeou Pierre Gramegna para um mandato de cinco anos”.

“Gostaria de felicitar Pierre e desejar-lhe as maiores felicidades na liderança de uma instituição que é crucial para o funcionamento estável da zona euro. Estou certo de que sob a sua liderança, o MEE continuará a ser a instituição forte e fiável em que se tornou”, adianta Paschal Donohoe.

Já o diretor executivo interino, Christophe Frankel, que assumia estas funções desde início de outubro quando Klaus Regling saiu do cargo, descreve Pierre Gramegna como “uma excelente escolha para liderar o MEE, graças à sua experiência em economia, finanças e direito”.

A escolha surge depois de um período de negociações sem frutos, já que nenhum dos quatro candidatos ao cargo (incluindo o ex-governante português João Leão) conseguiu reunir 80% dos votos expressos, numa votação em que Portugal, por exemplo, tem um direito de voto de cerca de 2,5%, o que compara com o da Alemanha (26,9%) e de França (20,2%), estes com maior peso e com poder de veto.

O alemão Klaus Regling, que era diretor executivo do Mecanismo desde a criação da instituição, em 2012, terminou o seu mandato no início de outubro.

A decisão sobre a sua sucessão é tomada pelos ministros das Finanças do euro, numa votação feita por maioria qualificada, ou seja, 80% dos votos expressos, sendo que os direitos de voto são iguais ao número de ações atribuídas a cada país membro do MEE no capital social autorizado.

O Conselho de Governadores do MEE é o órgão máximo de tomada de decisões do organismo que é composto por representantes governamentais de cada um dos 19 acionistas do mecanismo, os países do euro, com a pasta das Finanças. Portugal está representado pelo ministro da tutela, Fernando Medina.

O diretor executivo do MEE é responsável por conduzir os trabalhos do mecanismo.

Sediado no Luxemburgo, o MEE é uma organização intergovernamental criada pelos Estados-membros da zona euro para evitar e superar crises financeiras e manter a estabilidade financeira e a prosperidade a longo prazo, concedendo empréstimos e outros tipos de assistência financeira aos países em graves dificuldades financeiras.

No anterior Governo, João Leão assumiu a pasta das Finanças, depois de ter sido secretário de Estado do Orçamento, entre 2015 e 2019.

Artigo anteriorAtaque a tiro provoca três mortos e 11 feridos em duas escolas do Brasil
Próximo artigoFC Porto empata na receção ao Mafra na estreia na Taça da Liga

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui