Início Sci-Tech Ciência Projeto europeu está a analisar a inclusão no desporto para potenciar o...

Projeto europeu está a analisar a inclusão no desporto para potenciar o acesso a financiamento de programas de desporto inclusivo

78
0
Equipa da Universidade de Coimbra (da esquerda para a direita: José Pedro Ferreira, Maria João Campos e Alain Massart).

O projeto europeu “Meter Matters”, coordenado pela Universidade de Ljubljana e que a Universidade de Coimbra (UC) integra, está a desenvolver um estudo que pretende vir a potenciar o acesso a apoios por parte de programas de desporto inclusivo, particularmente os que envolvem atividades com pessoas com perturbações de neurodesenvolvimento, como perturbações do espetro do autismo e dificuldades intelectuais e desenvolvimentais.

O estudo surge depois do grupo de investigação ter identificado que «apesar de existir legislação nacional e internacional que apoia a participação inclusiva no desporto, há lacunas entre a prática e as diretrizes da União Europeia, em termos de apoio sustentado a programas de desportos inclusivos na forma de cofinanciamento de recursos estatais e locais», explica Maria João Campos, docente da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC), investigadora do Centro de Investigação em Desporto e Atividade Física (CIDAF) e coordenadora do Núcleo de Estudos de Atividade Física Adaptada (NEAFA) da FCDEFUC.

Neste contexto, o cofinanciamento é relevante dado que «na maioria dos países as ações de financiamento estão direcionadas para o desporto de alto rendimento, nomeadamente para o programa paralímpico, existindo uma lacuna no acesso ao financiamento para a oferta de atividades físicas adaptadas e inclusivas nos contextos recreativo e desportivo», sublinha a investigadora da Universidade de Coimbra.

Publicidade

A lacuna identificada tem vindo a condicionar os programas de desporto inclusivo pois «a oferta dos clubes desportivos em modalidades adaptadas e/ou inclusivas é extremamente diminuta, estando vedada aos potenciais praticantes a participação em algo tão básico como a realização de atividade física regular», salienta Maria João Campos. Assim, a «criação de modelos e critérios de financiamento vai permitir que clubes, associações desportivas, e outro tipo de instituições e entidades tenham a oportunidade de usufruir de fundos que lhes permitam promover o desporto inclusivo», acrescenta a docente da UC.

Para potenciar este acesso a apoios, a investigação em curso vai propor, por um lado, critérios adequados para o cofinanciamento de programas desportivos que envolvem pessoas com perturbações do neurodesenvolvimento em organizações desportivas; e, por outro lado, um modelo de cofinanciamento de inclusão no desporto a nível nacional, em cada um dos três países envolvidos.

Sobre os impactos do projeto no trabalho de organizações que atuam na área do desporto inclusivo, Maria João Campos explica que «se os critérios e o modelo de cofinanciamento forem testados em projetos-piloto por alguns anos, espera-se que possam vir a surgir soluções mais sustentáveis no desporto para todos» e que «os critérios mensuráveis para a inclusão no desporto que o Meter Matters vai propor possam ser usados em candidaturas a fundos». A longo prazo, a investigadora da UC revela que «é expectável que os critérios para avaliar a inclusão no desporto e a proposta de um modelo de cofinanciamento sejam um dos passos importantes para a regulação do desporto para todos».

O “Meter Matters” vai ser desenvolvido até 2024 e vai envolver profissionais de ciências do desporto, psicólogos, praticantes de desporto e seus familiares, especialistas nacionais e internacionais em políticas desportivas de inclusão, organizações desportivas, organizações que atuam na área da deficiência e da saúde e que implementam programas desportivos, e decisores.

O projeto está em curso em três países – Eslovénia, Portugal e Hungria –, sendo coordenado pela Faculdade de Desporto da Universidade de Ljubljana. Em Portugal, vai contar com a colaboração da Universidade de Coimbra (UC), através da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física (FCDEFUC), e da Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo de Coimbra (APPDA Coimbra). Conta ainda com a participação da Special Olympics Eslovénia, da Universidade de Educação Física da Hungria e da Special Olympics Hungria. Alain Massart, docente da FCDEFUC, e José Pedro Ferreira, também professor e atual diretor da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da UC, integram igualmente o projeto.

A próxima reunião da equipa do projeto vai decorrer em Coimbra, no final de janeiro de 2023.

Artigo anteriorSecretário de Estado das Comunidades lamenta a morte do cônsul-geral em Zurique
Próximo artigoMundial2022: Três bombeiros morrem na sequência de queda de grua

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui