Início Conflitos Ministério Público abre inquérito à morte do bebé atacado por um cão...

Ministério Público abre inquérito à morte do bebé atacado por um cão em Alenquer

142
0
FOTO: Afonso Silva/CMTV

O Ministério Público abriu inquérito para investigar o caso do bebé que morreu após ter sido atacado por um cão da família dentro da casa do agregado, confirmou hoje a Procuradoria-Geral da República (PGR).

“Confirma-se a instauração de inquérito, tendo o Ministério Público determinado a realização de autópsia médico-legal”, respondeu a PGR às perguntas efetuadas pela agência Lusa.

Questionada se algum cidadão foi constituído arguido, a PGR não respondeu.

Publicidade

O bebé que morreu na terça-feira no concelho de Alenquer (distrito de Lisboa) foi atacado por “um cão da família” dentro da habitação do agregado, explicou hoje a GNR à agência Lusa.

Questionada por escrito, a GNR esclareceu que o menino, de um mês, foi atacado nos Casais Novos, na União de Freguesias de Alenquer, “no interior da habitação da família”. Inicialmente, na terça-feira, a Proteção Civil indicou que o incidente ocorreu na Quinta da Colónia, no Carregado.

A Lusa questionou a GNR sobre as circunstâncias que permitiram ao animal aproximar-se e ferir o bebé ou como a criança foi afastada do animal, mas não obteve respostas.

De acordo com a guarda, após o ataque e o pedido de socorro às autoridades, às 15:42 de terça-feira, os pais da criança “procuraram ir ao encontro dos meios de socorro no exterior”, tendo o bebé sido assistido pelos meios de socorro já no parque de estacionamento de um supermercado, no Carregado, onde foi confirmado o óbito pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Após o incidente, os pais, que ficaram em estado de choque, segundo a GNR, receberam apoio psicológico do Instituto Nacional de Emergência Médica.

A força de segurança está a investigar as causas da morte.

O presidente da Câmara de Alenquer, Pedro Folgado, disse que a família não estava sinalizada pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, nem era acompanhada pelos serviços municipais de Ação Social.

Também a GNR informou que não existe registo de qualquer denúncia relacionada com a família no Tribunal de Alenquer, não sendo conhecida qualquer prática de negligência ou maus-tratos sobre menores.

Questionada sobre suspeitas de eventuais responsáveis pelo sucedido, eventuais detidos e a eventual abertura de processo-crime, a GNR não prestou informação.

Os dois cães da família foram levados pela Proteção Civil para o canil municipal como medida cautelar, disse fonte da GNR à Lusa.

Pedro Folgado, responsável pela Proteção Civil Municipal, precisou que um dos animais ficou à guarda do canil municipal de Alenquer e o outro foi transportado para o canil de Vila Franca de Xira, “por falta de condições” em Alenquer.

Também a GNR indicou que o cão que matou a criança, de raça pastor belga e responsável pelo ataque, foi recolhido e transportado para o canil de Vila Franca de Xira, por orientações da autoridade veterinária municipal.

No local da ocorrência estiveram seis veículos e 10 operacionais dos bombeiros de Alenquer, do INEM, com a viatura médica de emergência e reanimação de Vila Franca de Xira e um veículo com um psicólogo, e da GNR.

Artigo anteriorLC: Sporting volta a perder com Marselha e complica apuramento para ‘oitavos’
Próximo artigoJogadores do Caldas SC acreditam que podem contrariar SL Benfica na Taça de Portugal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui