Início Política ENTREVISTA: “O PCP faz falta” e o momento político prova-o – Jerónimo

ENTREVISTA: “O PCP faz falta” e o momento político prova-o – Jerónimo

80
0
O secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP), Jerónimo de Sousa, fala em entrevista à agência Lusa em Lisboa, 20 de outubro de 2022. O secretário-geral do PCP alerta que "ninguém é insubstituível" e garante que não irá esperar por qualquer reparo crítico relativamente à idade para deixar o cargo, porque está ciente de que "a lei da vida não perdoa". (ACOMPANHA TEXTO DA LUSA DO DIA 22 DE OUTUBRO DE 2022). TIAGO PETINGA/LUSA

O secretário-geral comunista rebateu a ideia de definhamento do partido e alertou que “o PCP faz falta”, sobretudo num momento de agravamento das condições de vida e de perda do poder de compra.

Em entrevista à agência Lusa, a propósito da Conferência Nacional do PCP a 12 e 13 de novembro, Jerónimo de Sousa contrariou a ideia de que o declínio eleitoral dos últimos anos signifique que o partido está a perder força ou influência.

“Muita gente que não é comunista, nem está próxima [do partido], tira uma conclusão: o PCP faz falta. O PCP faz falta aos trabalhadores, aos reformados e pensionistas, aos que menos têm, aos que menos podem, aos agricultores, aos pequenos e médios empresários”, sustentou.

Publicidade

Jerónimo de Sousa reconheceu que se o partido tivesse ajudado a viabilizar a proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) – cuja rejeição esteve na origem das eleições legislativas antecipadas que fizeram com que o PCP ficasse reduzido a seis deputados – até podia conquistar noutras eleições “mais uns votos”, mas não estaria “a corresponder aquela exigência” que os portugueses esperam.

Contudo, o desaire eleitoral, correlação de forças na Assembleia da República e a incerteza no contexto geopolítico internacional obrigaram o PCP a convocar uma Conferência Nacional, a quarta em 101 anos, para reenquadrar o partido e a sua intervenção.

Na conferência o partido vai tentar resolver o dilema da captação de pessoas, numa altura em que o agravamento das condições de vida, a perda de poder de compra e a precariedade transversal a várias áreas poderão ser propícias a um alinhamento com as ideias dos comunistas.

No manifesto que apresentaram há semanas e que está a ser debatido em todas as estruturas locais do partido, os comunistas apontaram como prioridade a formação de quadros jovens.

Na ótica de Jerónimo de Sousa é disso mesmo que o partido e “a participação de muitos jovens” é algo que já acontece e que se vê a “olho nu”.

Mas esse “rejuvenescer” tem de ocorrer “como um ato natural”.

Questionado sobre se esse rejuvenescimento tem de chegar à cúpula da direção comunista, respondeu “sim” e que a direção está a “fazer um esforço por esse rejuvenescimento”.

O partido tem como ambição formar mais 1.000 quadros até ao final de 2024.

Jerónimo de Sousa foi também questionado sobre a posição do PCP em relação à guerra na Ucrânia, dissonante das restantes forças políticas portugueses, designadamente quanto a uma influência em resultados eleitorais futuros, tendo em conta que o conflito deverá continuar nos próximos anos.

“Tivemos a posição pública que conhece, num quadro de grandes incertezas no plano internacional. Quem julgar que tema verdade toda, está a mentir”, comentou.

O PCP, sustentou, podia “ir na onda” dos outros partidos, mas como “ninguém pode ter certeza de nada”, o partido preferiu “reafirmar particular o valor da paz” nesta e em outras guerras.

Artigo anteriorTorreense afunda Sporting da Covilhã no fundo da classificação da II Liga
Próximo artigoVereadores luso-canadianos de Brampton tentam reeleição

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui