Início Turismo REPORTAGEM: Incêndios: Visitantes dizem que serra da Estrela continua a ter “encanto”

REPORTAGEM: Incêndios: Visitantes dizem que serra da Estrela continua a ter “encanto”

59
0
Hagal (2-E), israelita, acompanhada pelo marido e pelos filhos, posam para a fotografia durante uma visita ao Covão da Ametade, um mês depois dos incêndios que assolaram a Serra da Estela, em Manteigas, 06 de setembro de 2022. Turistas nacionais e estrangeiros que visitam a serra da Estrela mostram-se tristes com as marcas deixadas na paisagem pelos incêndios, mas asseguram que a região continua a ter “encanto” e a “espetacularidade da Natureza está na mesma”. (ACOMPANHA TEXTO DA LUSA DO DIA 07 DE SETEMBRO DE 2022). MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

Turistas nacionais e estrangeiros que visitam a serra da Estrela mostram-se tristes com as marcas deixadas na paisagem pelos incêndios, mas asseguram que a região continua a ter “encanto” e que a “espetacularidade da Natureza está na mesma”.

“O que vi, [no trajeto] de Manteigas para cima, continua a ter o encanto da serra”, disse à agência Lusa Gonçalo Marques, de Santa Comba Dão (Viseu), na terça-feira, quando visitava o Covão da Ametade, junto do vale Glaciar do Zêzere e da vila de Manteigas, no distrito da Guarda.

O visitante, que fez a viagem de carro a partir da Guarda, com a esposa e duas sobrinhas, acrescentou que observou um cenário desolador no percurso entre Famalicão da Serra (Guarda) e Sameiro (Manteigas): “Mesmo assim, digo às pessoas que venham à serra, porque é sempre bonita. Às vezes, vão para longe e temos belezas à porta”.

Publicidade

David Oliveira, também de Santa Comba Dão, que estava acompanhado pela esposa, deslocou-se à Guarda e no regresso a casa, em vez de seguir pela autoestrada A25, optou por ir pela serra para ver “como ficou” após a passagem do fogo.

“Eu adoro a serra. Para quem está habituado a ver a serra toda verde, ver agora aquilo [a paisagem calcinada], quando se vem da Guarda, é deplorável e até dói o coração. Até vinha a dizer à minha mulher que tão depressa não volto cá. A espetacularidade da natureza está na mesma, mas o pormenor do castanho e do preto não ajuda. O resto, continua uma maravilha natural”, disse, enquanto caminhava para o interior do Covão da Ametade.

Junto deste local icónico da serra da Estrela, a Lusa encontrou o inglês Nelson Smith e a mulher Sj Smith, que faziam uma visita com o guia turístico Nuno Diz, da empresa de animação turística Deltatur.

“[Após o incêndio] tivemos cancelamentos. As pessoas ficaram muito assustadas. Há uma desinformação muito grande. As pessoas pensam que ardeu tudo e que ainda está tudo cheio de fumo, quando os pontos principais [de visitação], como é o caso do Covão da Ametade, estão intactos”, referiu Nuno Diz.

O guia turístico nota que os visitantes “ficam um bocadinho tristes por verem o cenário desolador ao vivo”.

Nelson e Sj Smith, que passaram pela serra no âmbito de um percurso que também os levaria a Lisboa, Sintra e Nazaré, mostraram-se surpreendidos com o que encontraram: “É um sítio muito bonito”.

Na opinião do casal oriundo de Birmingham, “o fogo afeta a ecologia, mas a serra continua a ter beleza”.

Um casal israelita que está a passar uma semana de férias na região com três filhos menores, que a Lusa encontrou no início do percurso da rota PR6 (Covão da Ametade – Nave de Santo António – Torre), reconheceu que o fogo deixou “um cenário desolador e triste”.

“Estamos há dois dias em Portugal e hoje [terça-feira] é o nosso primeiro dia aqui. Por aquilo que vemos, consideramos que, apesar dos incêndios, a montanha continua a ter encantos que merecem uma visita”, declarou Hagal.

Noutro ponto da Estrela, no Poço do Inferno, também no concelho de Manteigas, a Lusa encontrou o brasileiro Sávio Cunha, que vive em Sintra e, no regresso a casa, após ter participado num festival no Sabugal (Guarda), decidiu visitar a montanha mais alta de Portugal continental.

“Estou aqui pela primeira vez. [A serra da Estrela] lembra-me muito Minas Gerais, de onde vim. É um lugar bem preservado e bonito. Apesar do fogo, penso que é um lugar muito bonito e que vale a pena visitar”, afirmou.

O mesmo local também foi visitado pelo emigrante no Luxemburgo Avelino Antunes, natural de Braga, que estava acompanhado da mulher, Ana Santos, e dos dois filhos.

“É triste ver a serra assim”, atirou Ana Santos, enquanto o marido anuiu e disse que o impacto dos incêndios “é desastroso”.

Na opinião de Avelino, a serra “continua a ter a sua beleza”, porque “há muita coisa para ver e que não ardeu”.

A serra da Estrela foi afetada por um incêndio que deflagrou no dia 06 de agosto em Garrocho, no concelho da Covilhã (distrito de Castelo Branco) e que foi dado como dominado no dia 13.

O fogo sofreu uma reativação no dia 15 e foi considerado novamente dominado no dia 17 do mesmo mês, à noite.

As chamas estenderam-se ao distrito da Guarda, nos municípios de Manteigas, Gouveia, Guarda e Celorico da Beira, e atingiram ainda o concelho de Belmonte, no distrito de Castelo Branco.

No dia 25, o Governo aprovou a declaração de situação de calamidade para o PNSE, afetado desde julho por fogos, conforme pedido pelos autarcas dos territórios atingidos.

A situação de calamidade foi já publicada em Diário da República e vai vigorar pelo período de um ano, para “efeitos de reposição da normalidade na respetiva área geográfica”.

Artigo anteriorSporting estreia-se na UEFA Youth League com empate em Frankfurt
Próximo artigoMarcelo assiste hoje ao desfile do 07 de Setembro com Bolsonaro em Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui