Início Sociedade Óbito/Isabel II: Portugueses em Londres tristes com morte de monarca que “era...

Óbito/Isabel II: Portugueses em Londres tristes com morte de monarca que “era como uma mãe”

55
0

A notícia da morte da Rainha Isabel II foi recebida com tristeza em Stockwell, zona de Londres conhecida como “Little Portugal”, onde a monarca era hoje recordada por alguns portugueses “como se fosse uma mãe”.

“Perdemos a nossa mãe”, disse à Lusa José Silva, dono da Tugal Food, uma empresa de comércio de peixe congelado, quando se preparava para distribuir a mercadoria pelos restaurantes da capital britânica.

A rainha Isabel II morreu na quinta-feira aos 96 anos no Castelo de Balmoral, na Escócia, após mais de 70 anos do mais longo reinado da história do Reino Unido.

Publicidade

“Ontem estavam todos tristes. Tínhamos a televisão ligada para ver as notícias. Estava muita gente triste”, contou à Lusa Fernanda Pereira, atrás do balcão no café Madeira Próspero, um dos muitos estabelecimentos com nomes portugueses na zona de Stockwell, no sul de Londres.

Umas portas à frente, a dona do café Rose Deli, Rosária, há 35 anos a viver em Londres, confirmava o mesmo cenário: “Foi triste o ambiente. É uma perda, era Rainha há tanto tempo. Não é fácil”.

Sentada na esplanada do café Estrela, a tradutora Di Lia, que emigrou para o Reino Unido aos 14 anos e vive em Londres há mais de 40, confidenciava à Lusa que a Rainda “vai deixar saudades” entre os portugueses, que se habituaram a referir-se a ela como “a madrinha”.

“Chamam-lhe a madrinha por causa dos benefícios que lhes deu”, disse a portuguesa, defendendo que Isabel II “ajudou muito” os emigrantes, incluindo os portugueses, para que tivessem acesso a subsídios sociais.

Para Maria Fernanda Vitorino, que vive em Londres há mais de 30 anos e já tem netos britânicos, a Rainha é admirada pelos portugueses e por outros imigrantes porque promovia uma sociedade diversa, aberta aos cidadãos de várias origens.

Sentadas em mesas adjacente, Di e Maria Fernanda concordam que com Carlos III como Rei “não vai ser a mesma coisa”.

Elogiando a integridade e a seriedade de Isabel II, as duas portuguesas são unânimes em dizer que não desejavam “a ninguém” a “vida de prisão” e a pressão a que a Rainha foi sujeita ao longo dos seus 70 anos de reinado.

“Vão ser uns sapatos difíceis de calçar”, disse Di, para quem a morte de Isabel II é “o início do fim da monarquia”.

“Por enquanto [a monarquia] vai continuar, mas há uma tendência para acabar”, concordou Maria Fernanda, citando economistas segundo os quais “a monarquia retira mais do que dá à economia do país”.

Já António Ramalho, dono de um café em Stockwell e a viver em Londres há 33 anos, acredita que a morte da Rainha “não muda nada”.

“A única coisa que pode mudar são as notas” de libra, que há décadas exibem a imagem de Isabel II.

Sentado à mesa de um café em Stockwell, José Albuquerque, que tem 43 nos e vive em Londres desde os 15, recorda com emoção o dia em que viu a Rainha passar, quando era condutor e andava a passear uns turistas por Londres.

“Fomos parados pelos batedores e vi a Rainha. Foi a única vez que a vi em 27 anos”, disse o agora dono do restaurante Three Lions, que acredita que “99% das pessoas em Londres têm um carinho especial” por Isabel II.

Em surdina, admitiu que na quinta-feira lhe “vieram as lágrimas aos olhos” ao saber da morte da monarca, que comparou à perda da sua própria avó.

“É como se fosse uma mãe. É a mãe de todos nós”, confessou.

Artigo anteriorPortugal conhece adversários no ‘play-off’ europeu do Mundial feminino
Próximo artigoDescoberta parte de casco de uma nau da Índia naufragada no Faial em 1615

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui