Início Política Bruxelas e Londres veem sinais de que invasão falha e Macron pede...

Bruxelas e Londres veem sinais de que invasão falha e Macron pede “pressão máxima”

82
0

A presidente da Comissão Europeia e a primeira-ministra do Reino Unido consideraram hoje a decisão do Presidente russo de mobilizar os reservistas no contexto do conflito na Ucrânia “um sinal de que a invasão russa está a falhar”.

Ursula von der Leyen e Liz Truss, que realizaram a sua primeira reunião bilateral à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), “condenaram as ações russas na Ucrânia e concordam que os apelos de Putin para mobilizar milhares de reservistas são um sinal de que a invasão russa da Ucrânia está a falhar”.

“São uma declaração de fraqueza”, disseram num comunicado conjunto após a reunião em Nova Iorque, no qual também sublinharam o seu compromisso de manter o apoio à Ucrânia “o tempo que for necessário”.

Publicidade

A presidente da Comissão Europeia e a nova primeira-ministra do Reino Unido também discutiram as relações entre o bloco comunitário e Londres e o controverso protocolo da Irlanda do Norte, mas o breve comunicado conjunto não explica o conteúdo da discussão sobre este ponto.

Também à margem da reunião de líderes da ONU, o Presidente francês, Emmanuel Macron, pronunciou-se sobre o discurso de Vladimir Putin, e pediu a imposição de “pressão máxima” ao seu homólogo russo, para pôr fim a uma guerra “que não faz sentido”.

A Rússia está “cada vez mais isolada”, encurralada “numa guerra que só eles querem”, e o decreto de mobilização contribuirá para este isolamento, disse o presidente francês, em declarações aos meios de comunicação de Nova Iorque recolhidas pela rede BFMTV.

Já o Alto Representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell, afirmou que “a paz mundial está em risco” devido à “chantagem nuclear” da Rússia, após as ameaças do Presidente russo.

“Ameaçar o uso de armas nucleares é inaceitável e um perigo real para todos. A comunidade internacional deve unir-se para evitar estas ações. A paz mundial está em risco”, alertou o Alto Representante numa mensagem nas redes sociais.

Borrell acusou o Presidente russo de procurar uma “grave escalada” do conflito na Ucrânia com os seus anúncios de “referendos falsos”, mobilização parcial da população e “chantagem nuclear”.

Vladimir Putin decretou hoje a mobilização parcial de 300.000 reservistas para a guerra na Ucrânia, uma medida que procura contrariar o que chamou de “chantagem nuclear” da NATO, que visa “destruir” a Rússia.

A Rússia lançou uma operação militar de ocupação da Ucrânia no dia 24 de fevereiro que se prolonga há quase sete meses.

Artigo anteriorBiden acusa Rússia de violar valores da ONU e condena ameaça nuclear de Putin
Próximo artigoOito mortos em protestos pela morte de mulher detida pela polícia no Irão

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui