Início Política António Costa chegou a Maputo poucos minutos depois da meia-noite local

António Costa chegou a Maputo poucos minutos depois da meia-noite local

58
0
O primeiro-ministro de Portugal, António Costa (4E), à chegada a Moçambique, para participar na V Cimeira Luso-Moçambicana em Maputo, Moçambique, 01 de setembro de 2022. LUÍSA NHANTUMBO/LUSA

O primeiro-ministro, António Costa, chegou hoje a Maputo cerca de 10 minutos depois da meia-noite (hora local, menos uma em Lisboa), para uma visita oficial de dois dias, na qual vai participar na V Cimeira Luso-Moçambicana.

À chegada à Base Aérea de Mavalane, na capital moçambicana, António Costa foi recebido com guarda de honra à saída da aeronave da Força Aérea que o transportou.

O chefe de Governo português tinha à sua espera a ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, Verónica Macamo, e o embaixador de Portugal em Maputo, António Costa Moura.

Publicidade

Esteve presente também na receção ao chefe de Governo o ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos de Moçambique, Carlos Mesquita (que vai acompanhar o primeiro-ministro ao longo da visita), o embaixador de Moçambique em Portugal, o secretário de Estado na cidade de Maputo, o presidente do Conselho Municipal de Maputo e o diretor para a Europa e Américas do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, além de uma comitiva portuguesa.

Numa zona alta do edifício da base área foi colocada uma faixa na qual se lia: “Boas vindas à República de Moçambique, sua excelência António Costa, primeiro-ministro da República Portuguesa”.

Na parte inferior e também dentro da base estavam outras faixas mais pequenas e cartazes com o retrato do primeiro-ministro ou uma fotografia a cumprimentar o presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, com a mensagem de “bem-vindo”.

O primeiro-ministro percorreu uma passadeira vermelha e com as restantes cores da bandeira moçambicana nos lados (verde, preto, amarelo e branco), e cumprimentou quem o aguardava.

O percurso desde o avião até ao carro demorou cerca de cinco minutos. Antes de partir, António Costa despediu-se com um “até amanhã”, não tendo prestado declarações à comunicação social.

O primeiro-ministro, António Costa, inicia hoje uma visita oficial de dois dias a Moçambique, para participar na V Cimeira Luso-Moçambicana, que visa “o aprofundamento das relações bilaterais” e a assinatura de “diversos instrumentos de cooperação”.

Na quarta-feira, foram já assinados três acordos, entre os quais um protocolo de cooperação e colaboração técnica entre os governos de Portugal e Moçambique para a “capacitação da Inspeção-Geral de Finanças” entre 2022 e 2016.

Na área da saúde, foi celebrado um protocolo entre o Hospital Central de Maputo e o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, “para a implementação de modalidades de telemedicina”.

O terceiro protocolo de cooperação foi assinado entre o Instituto Nacional de Inspeção do Pescado de Moçambique e a ASAE.

A visita do primeiro-ministro arranca com uma cerimónia no Monumento aos Heróis Moçambicanos, onde irá depor uma coroa de flores, seguindo depois para um encontro com o Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, no final do qual serão assinados diversos acordos no âmbito da cimeira.

Já de tarde, António Costa desloca-se ao parlamento moçambicano, onde se vai encontrar com a presidente da Assembleia da República, Esperança Bias, seguindo depois para o Centro Cultural Português.

O programa do primeiro dia da visita do chefe do Governo português termina com um jantar oferecido pelo Presidente da República de Moçambique no Palácio da Ponta Vermelha.

No segundo e último dia, Costa visita a Facim (Feira Internacional de Maputo) e intervém na abertura do Fórum de Negócios. Depois, visita as tropas portuguesas e a missão da União Europeia, e encontra-se ainda com empresários lusos e com a comunidade portuguesa no país.

Esta visita oficial do primeiro-ministro a Moçambique esteve prevista para os dias 11 e 12 de julho, mas António Costa decidiu adiá-la devido ao agravamento do risco de incêndio em Portugal na altura.

Artigo anteriorUS Open: Tenista português Nuno Borges eliminado pelo chinês Yibing Wu
Próximo artigoGoverno português aprova regulamentação para acordo de mobilidade da CPLP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui