Início Ciclismo Volta a Portugal W52-FC Porto confia em ciclistas suspensos mas lutará pela Volta com outros

W52-FC Porto confia em ciclistas suspensos mas lutará pela Volta com outros

106
0

A W52-FC Porto reiterou hoje confiar nos oito ciclistas suspensos preventivamente pela Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP), clarificando que alinhará na 83.ª Volta a Portugal com outros corredores “para lutar pela vitória na estrada”.

“Face às últimas notícias veiculadas pela comunicação social a propósito da suspensão preventiva de oito dos seus atletas, a W52-FC Porto vem esclarecer que sempre pugnou pela verdade e o fair-play desportivo, bem como pela condenação do uso de quaisquer substâncias dopantes”, começa por dizer o comunicado assinado por Adriano Quintanilha, o ‘patrão’ da equipa, e publicado no sítio oficial do FC Porto.

A nota indica que a equipa, que se encontra “a colaborar ativamente com as entidades Reguladoras e Fiscalizadoras do ciclismo em Portugal, designadamente a Federação Portuguesa de Ciclismo e a ADoP, em busca da verdade desportiva”, alinhará na próxima Volta a Portugal sem “os atletas suspensos”.

Publicidade

“Os resultados alcançados nos últimos anos, com indiscutível mérito desportivo, continuam, não obstante, a justificar a confiança que a equipa deposita nos ciclistas entretanto suspensos preventivamente pela ADoP, cuja presunção de inocência se mantém intacta até prova em contrário”, acrescenta.

Em 15 de julho, oito ciclistas e dois elementos do ‘staff’ da W52-FC Porto foram suspensos preventivamente pela Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP) no âmbito da operação ‘Prova Limpa’.

No dia seguinte, a identidade de seis desses ciclistas foi conhecida quando os mesmos foram impedidos de alinhar na terceira etapa do Grande Prémio Douro Internacional, que acabou por ser conquistado por José Neves, o único representante da equipa que continuou em prova.

Foram afastados Ricardo Vilela e José Gonçalves, além de quatro antigos vencedores da Volta a Portugal: João Rodrigues (2019), Rui Vinhas (2016), Ricardo Mestre (2011) e Joni Brandão, que ‘herdou’ a vitória na edição de 2018 depois da desclassificação, por doping, do também ‘dragão’ Raúl Alarcón.

Na sexta-feira, a organização da Volta a Portugal confirmou a presença da W52-FC Porto na 83.ª edição da prova, que decorre entre 04 e 15 de agosto, entre Lisboa e Gaia, com o diretor, Joaquim Gomes, a argumentar que a equipa não está suspensa e que poderia participar com outros corredores contratados na ‘janela de novas inscrições’, que abre em 01 de agosto.

Hoje, Quintanilha defendeu que a participação dos ‘dragões’ na corrida ‘rainha’ do calendário nacional “trará uma motivação acrescida a todos os atletas e dirigentes, que saberão lutar pela vitória na estrada, honrando um clube e uma equipa que tem vindo a dominar o panorama do ciclismo nacional com indiscutível mérito”.

Além dos ciclistas que alinhavam no GP Douro Internacional, a W52-FC Porto conta ainda nas suas fileiras com Amaro Antunes, três vezes vencedor e bicampeão em título da Volta (2021, 2020 e 2017), Jorge Magalhães, Samuel Caldeira e Daniel Mestre, estes últimos também suspensos, segundo confirmou Quintanilha ao jornal Record.

No final de abril, 10 corredores da W52-FC Porto foram constituídos arguidos e o diretor desportivo da equipa, Nuno Ribeiro, foi mesmo detido, assim como o seu adjunto, José Rodrigues, no decurso da operação ‘Prova Limpa’, a cargo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto.

“A operação policial, envolvendo um total de cerca de 120 elementos provenientes da Diretoria do Norte e ainda das Diretorias do Centro e do Sul, da Unidade Nacional de Combate à Corrupção e dos Departamentos de Investigação Criminal de Braga, Vila Real e Guarda, contou ainda com a colaboração da ADoP”, detalhou a PJ, em 24 de abril.

A estrutura W52, ligada ao FC Porto há seis épocas, venceu as últimas nove edições da Volta a Portugal, mas os triunfos do seu corredor espanhol Raúl Alarcón, em 2017 e 2018, foram-lhe retirados também por “uso de métodos e/ou substâncias proibidas”.

Artigo anteriorCarlos Moedas pediu ao Governo esquadras móveis nas zonas mais problemáticas de Lisboa
Próximo artigoDez meios aéreos combatem chamas no concelho de Penacova

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui