Início Incêndios Incêndios: Retiradas mais de 50 pessoas de aldeias em Pombal

Incêndios: Retiradas mais de 50 pessoas de aldeias em Pombal

159
0
Uma popular mostra tristeza junto de uma área destruída pelo fogo na aldeia de Mogadouro de Baixo, depois da passagem das chamas do incêndio que começou em Abiul, Pombal, 13 de julho de 2022. PAULO NOVAIS/LUSA

O incêndio de Pombal obrigou à retirada de mais de 50 pessoas de várias aldeias e à evacuação de um lar de idosos, disse hoje à Lusa o presidente da câmara daquele concelho do distrito de Leiria.

“Ainda temos duas frentes de incêndio, mas a situação ficou mais calma esta manhã. Ontem [terça-feira] foram retiradas mais de 50 pessoas de aldeias na zona de Ramalhais e foi evacuado um lar de idosos. Montámos um serviço de logística, acolhendo as pessoas na escola Marquês de Pombal e contámos com o apoio psicológico de técnicas da Segurança Social”, adiantou Pedro Pimpão (PSD).

Segundo o autarca, o incêndio provocou alguns feridos ligeiros e um “grave”, que está hospitalizado. “Será um senhor que estava a proteger a casa de um familiar e sofreu queimaduras com alguma gravidade”, revelou Pedro Pimpão.

Publicidade

O presidente referiu ainda que há “várias casas ardidas”, pelo menos uma de primeira habitação. “Há ainda registo de muitos barracões, aviários e armazéns destruídos pelas chamas. Várias atividades económicas foram atingidas. Muitos animais também morreram. Assisti a uma situação que me impressionou: uma senhora que tentava salvar as cabras, já com as ovelhas todas mortas”, acrescentou.

Pedro Pimpão considerou que se viveram “momentos de desespero”. “Quando o incêndio deflagrou não tínhamos recursos suficientes. Quando solicitávamos meios diziam-nos que não havia, pois estavam noutros teatros operações. Ao final do dia houve um reforço e por isso as coisas melhoraram”, disse.

Segundo o presidente, durante esta manhã “centenas de bombeiros encontravam-se no terreno para fazer a consolidação e a vigilância”, situação que se deveria manter ao longo do dia. “A situação de alerta mantém-se”, constatou.

O incêndio deflagrou na freguesia de Abiul, em Vale da Pia, na sexta-feira, pelas 14:50.

Segundo o sítio na Internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, às 13:55, estavam no local 425 operacionais, apoiados por 108 viaturas e seis meios aéreos.

Dezasseis dos 18 distritos de Portugal continental estão hoje sob aviso vermelho, o mais grave, devido ao tempo quente, com mais de uma centena de concelhos em perigo máximo de incêndio rural, segundo o IPMA.

Os distritos de Braga, Vila Real, Bragança, Guarda, Viseu, Porto, Aveiro, Coimbra, Castelo Branco, Leiria, Santarém, Lisboa, Portalegre, Setúbal, Évora e Beja vão estar até às 00:00 de quinta-feira sob aviso vermelho devido à persistência de valores extremamente elevados da temperatura máxima.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o aviso vermelho corresponde a “uma situação meteorológica de risco extremo”.

Devido a estas condições meteorológicas e à previsão de valores baixos de humidade relativa do ar, temporariamente inferiores a 20% em vastas áreas do interior, o perigo de incêndio rural apresentará as classes máximo e muito elevado em quase todo o interior norte e centro e no interior do Algarve até ao final desta semana.

Esta situação de tempo muito quente resulta da circulação de uma massa de ar muito quente e seco, originária no norte de África, que irá persistir até sexta-feira, com valores de temperatura acima ou muito acima da média.

Portugal continental está desde segunda-feira em situação de contingência.

Artigo anteriorFrancisco Trincão assina pelo Sporting
Próximo artigoVingegaard vence no Col du Granon e ‘destrona’ Pogacar no Tour

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui