Início Política Incêndios: PSD “solidário com combate” no terreno, mas diz que ainda há...

Incêndios: PSD “solidário com combate” no terreno, mas diz que ainda há “falhas estruturais” 

70
0
O primeiro vice-presidente do PSD, Paulo Rangel fala aos jornalistas após a primeira reunião da Comissão Política Nacional do PSD desde a tomada de posse de Luís Montenegro e da eleição dos novos órgãos do partido, esta tarde na sede do partido em Lisboa 11 de julho de 2022. MIGUEL A. LOPES/LUSA

O PSD mostrou-se hoje solidário com o combate aos incêndios e registou positivamente que o primeiro-ministro tenha ido ao terreno, mas alertou que existem “falhas estruturais” que se mantêm.

No final da primeira reunião da Comissão Política Nacional (CPN) do PSD desde a tomada de posse de Luís Montenegro no 40.º Congresso, em 03 de julho, o primeiro vice-presidente do partido, o eurodeputado Paulo Rangel, enunciou os incêndios e o “caos na saúde” como os dois temas prioritários tratados na reunião.

“Acompanhamos os apelos do Presidente da República e do primeiro-ministro para que todos os portugueses tenham comportamentos que diminuam largamente os riscos, mas atenção: não podemos atirar as responsabilidades só para as pessoas. Há uma seca extrema, há uma vaga de calor, há falhas na política florestal, no apoio aos bombeiros, na política de comunicações. Há lições que deviam estar mais bem aprendidas”, afirmou Paulo Rangel.

Publicidade

Questionado sobre as palavras do Presidente da República, que considerou não haver comparação entre a preparação atual e a de 2017, Rangel repetiu que “há um conjunto de questões estruturais que não foram resolvidas”.

“Não quer dizer que as forças de combate aos incêndios não estejam mais bem preparadas”, admitiu, dizendo que as falhas são para “debater mais tarde”, já que agora “a prioridade é ser solidário no combate”.

Por outro lado, o PSD “registou positivamente” que António Costa tenha “finalmente ido ao terreno”, referindo-se às deslocações de hoje do chefe de Governo por alguns distritos mais afetados pelos incêndios.

“No entanto, o PSD já tinha assumido esta questão como um grande combate. Não é por acaso que o primeiro ato de Luís Montenegro como presidente foi ir a Pedrógão Grande”, disse.

Artigo anteriorFC Porto apresenta-se aos sócios frente ao Mónaco em 23 de julho
Próximo artigoMoção de censura contra Governo francês chumbada

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui