Início Incêndios Incêndios provocaram 21 feridos ligeiros e um grave desde quinta-feira

Incêndios provocaram 21 feridos ligeiros e um grave desde quinta-feira

175
0
Incêndio em Quebrada de Baixo, freguesia de Freixianda, concelho de Ourém, 09 de julho de 2022. O ministro da Administração Interna destacou hoje a "capacidade de fiscalização" mobilizada no combate aos incêndios, após ter sobrevoado os fogos de Carrazeda de Ansiães e de Ourém, a bordo de uma aeronave P-3C Cup+ da Força Aérea. PAULO CUNHA/LUSA

Os incêndios que lavram em Portugal Continental desde quinta-feira provocaram 21 feridos ligeiros e um ferido grave, afirmou hoje o comandante nacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

André Fernandes falava no ‘briefing’ aos jornalistas na sede da ANEPC, em Carnaxide, Oeiras, no distrito de Lisboa, pouco depois das 12:00, para fazer o ponto de situação do dia de hoje sobre os incêndios.

“Em relação às vítimas acumuladas desde dia 07 de julho, temos 21 feridos ligeiros e um ferido grave, que foi um bombeiro que teve uma fratura exposta no pulso”, disse.

Publicidade

De acordo com o responsável, os feridos ligeiros resultaram de “situações normais no quadro de combate aos fogos florestais”, salientando que a maioria não teve necessidade de deslocação ao hospital.

Portugal continental está sem incêndios ativos significativos, disse o comandante nacional, sublinhando, no entanto, que os fogos que deflagraram em Pombal (Leiria) e Ourém (Santarém), apesar de dominados, são motivo de preocupação devido ao risco de reacendimento.

“As ocorrências que tiveram origem nos dias 07, 08, 09 e 10 de julho encontram-se todas numa fase de dominadas, estando em fase de estabilização do perímetro de incêndios”, sublinhou.

O incêndio que começou na quinta-feira à tarde no concelho de Ourém (Santarém) e que alastrou a Alvaiázere (Leiria) e Ferreira do Zêzere (Santarém) foi considerado dominado cerca das 08:00, permanecendo pelas 14:05 no terreno 594 operacionais, apoiados por 196 veículos e três meios aéreos.

Já o fogo que começou na sexta-feira no concelho de Pombal, e que se estendeu a Ansião, também no distrito de Leiria, foi considerado em resolução às 08:30 de hoje, estando às 14:10 a ser combatido 263 operacionais, com o apoio de 85 viaturas e um meio aéreo.

Quanto ao levantamento já feito aos danos causados pelos incêndios, o comandante André Fernandes adiantou que o incêndio de Ourém afetou “cinco habitações e dois anexos”, tendo também obrigado à evacuação das aldeias de Charneca, Abades, Casal do Rei, Lumiar e Ameixieira por precaução.

Já no fogo de Pombal, que começou na sexta-feira em Vale da Pia e afetou os municípios de Pombal, Ansião e Alvaiázere, no distrito de Leiria, “duas habitações foram afetadas pelos incêndios”, avançou, enumerando “evacuações preventivas” nas aldeias de Martim Vaqueiro, Ramalheira, Gramatinha e Mato.

“Estas situações já voltaram à normalidade, apenas a registar um deslocado no incêndio de Santarém”, frisou o responsável.

Portugal continental entrou às 00:00 de hoje em situação de contingência, que deverá terminar às 23:59 de sexta-feira, mas que poderá ser prolongada caso seja necessário.

A declaração da situação de contingência foi decidida devido às previsões meteorológicas para os próximos dias, que apontam para o agravamento do risco de incêndio, com temperaturas que podem ultrapassar os 45º em algumas partes do país, segundo disse, no sábado, o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro.

Devido à situação de risco, Portugal ativou o Mecanismo Europeu de Proteção Civil e a Comissão europeia mobilizou, no domingo, dois aviões espanhóis para combater os incêndios no território português.

Artigo anteriorCalor acima dos 40 graus pode vir acompanhado de trovoada sem que a água chegue ao solo
Próximo artigoGrevenmacher: Emigrante português é a vítima mortal do acidente de trabalho

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui