Início Incêndios Incêndios: Frente ativa e trabalhos de consolidação em Vila Pouca de Aguiar

Incêndios: Frente ativa e trabalhos de consolidação em Vila Pouca de Aguiar

90
0
A resident fights a forest fire in Reboredo village, Vila Pouca de Aguiar, Portugal, 28 July 2022. 466 operational, 144 vehicles and 06 airplane are fighting the forest fire. PEDRO SARMENTO COSTA/LUSA

O incêndio que deflagrou na quarta-feira em Revel, Vila Pouca de Aguiar, tem hoje de manhã “grande parte” do perímetro em consolidação e vigilância, mantendo uma frente ativa a lavrar com “alguma intensidade”, disse fonte da Proteção Civil.

Num ponto de situação sobre o fogo que lavra no concelho de Vila Pouca de Aguiar, o comandante distrital de operações de socorro de Vila Real (CODIS), Miguel Fonseca, disse que, pelas 08:00, “grande parte do perímetro” estava em trabalhos de consolidação e, também, “já em vigilância”, mantendo-se uma “frente ativa a arder com alguma intensidade, mas a ceder aos meios”.

“Ou seja, temos boas perspetivas para que nas próximas horas consigamos, efetivamente, ter todo o perímetro em consolidação”, frisou.

Publicidade

Para ajudar os operacionais no terreno, pelas 08:30, está previsto acionar três meios aéreos, dois aviões e um helicóptero que, segundo o comandante, vão “focar o trabalho nesta frente que está ainda ativa”.

Miguel Fonseca referiu ainda que, não havendo outras ocorrências, posteriormente poderá ser empenhada mais uma parelha de aviões neste teatro de operações.

Durante a noite, as atenções dos operacionais estiveram centradas na aldeia de Campo de Jales, devido a uma projeção que apresentou alguma preocupação.

No período noturno a humidade e a descida das temperaturas ajudou nos trabalhos de combate e, segundo Miguel Fonseca, as condições meteorológicas, como o vento, “não são uma preocupação durante a manhã de hoje”, embora se prevejam temperaturas altas.

Segundo o ‘site’ da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o fogo mobilizava, pelas 08:30, 394 operacionais e 130 viaturas.

O alerta para este fogo foi dado às 17:14 de quarta-feira e, em pouco tempo, verificou-se uma grande mobilização de meios para esta ocorrência que teve uma progressão muito rápida em zona de pinhal e chegou a avançar em três frentes.

Este incêndio tem rodeado aldeias, como Filhagosa, na quarta-feira, ou Reboredo, na quinta-feira, não tendo, até ao momento, provocado danos em habitações, mas contabilizando grandes prejuízos em áreas de pinhal e na agricultura, nomeadamente em castanheiros ou apiários.

Não se verificaram evacuação das aldeias, mas alguns residentes mais idosos ou com dificuldades de mobilidade e residentes nas áreas próximas da floresta foram retirados mais para o centro das localidades.

Os populares e os muitos emigrantes de férias nestas aldeias têm-se unido aos operacionais para combater as chamas.

“O risco para as populações obriga a alterar o plano dos trabalhos nas frentes de incêndio na área florestal e a empenhar os meios na proteção às populações”, explicou Miguel Fonseca.

Fonte da GNR disse à agência Lusa que um homem na casa dos 50 anos foi constituído arguido pela suspeita de realização de trabalhos na floresta que poderão ter estado na origem deste incêndio.

Artigo anteriorLuxemburgo: Controlos de velocidades (29 julho)
Próximo artigoSeca: Câmara da Guarda pede “consumos regrados” de água a residentes e emigrantes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui