Início Incêndios Incêndios: Cerca de 1.500 hectares de área ardida no fogo de Vila...

Incêndios: Cerca de 1.500 hectares de área ardida no fogo de Vila Pouca de Aguiar

60
0
A resident fights a forest fire in Reboredo village, Vila Pouca de Aguiar, Portugal, 28 July 2022. 466 operational, 144 vehicles and 06 airplane are fighting the forest fire. PEDRO SARMENTO COSTA/LUSA

O incêndio que deflagrou na quarta-feira em Revel, Vila Pouca de Aguiar, já terá queimado “mais de 1.500 hectares”, metade dos quais correspondem a área pinhal adulto, segundo estimativa feita hoje pela Proteção Civil Municipal.

A informação foi avançada esta manhã pela Proteção Civil Municipal que referiu que, numa primeira estimativa da área ardida neste fogo, já terão sido consumidos pelas chamas à volta de 1.500 hectares e que cerca de metade corresponde a área de pinhal adulto.

A fonte referiu ainda que, esta manhã, o incêndio possui “vários pontos quentes” que “merecem atenção”, sendo o “mais preocupante” o que está na proximidade da aldeia de Campo de Jales.

Publicidade

“O dispositivo de combate está a debelar as frentes ativas e a consolidar o perímetro do incêndio através de ações de rescaldo, estando também entidades envolvidas em ações vigilância pós-incêndio”, referiu.

Segundo o ‘site’ da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o fogo mobilizava, pelas 09:30, 412 operacionais, 130 viaturas e sete meios aéreos que estão a concentrar os trabalhos na frente que ainda se mantém ativa neste fogo.

Num ponto de situação sobre o fogo que lavra no concelho de Vila Pouca de Aguiar, o comandante distrital de operações de socorro de Vila Real (CODIS), Miguel Fonseca, disse que, pelas 08:00, “grande parte do perímetro” estava em trabalhos de consolidação e, também, “já em vigilância”, mantendo-se uma “frente ativa a arder com alguma intensidade, mas a ceder aos meios”.

“Ou seja, temos boas perspetivas para que nas próximas horas consigamos, efetivamente, ter todo o perímetro em consolidação”, frisou Miguel Fonseca.

O alerta para este fogo foi dado às 17:14 de quarta-feira e, em pouco tempo, verificou-se uma grande mobilização de meios para esta ocorrência que teve uma progressão muito rápida em zona de pinhal e chegou a avançar em três frentes.

Este incêndio tem rodeado aldeias, como Filhagosa, na quarta-feira, ou Reboredo, na quinta-feira, não tendo, até ao momento, provocado danos em habitações, mas contabilizando grandes prejuízos em áreas de pinhal, bem como em castanheiros ou apiários.

Os populares e os muitos emigrantes de férias nestas aldeias têm-se unido aos operacionais para combater as chamas.

Fonte da GNR disse à agência Lusa que um homem na casa dos 50 anos foi constituído arguido pela suspeita de realização de trabalhos na floresta que poderão ter estado na origem deste incêndio.

Este é o segundo grande incêndio em pouco tempo neste concelho. O fogo que deflagrou no dia 17 de julho, em Cortinhas, Murça, evoluiu para Vila Pouca de Aguiar e queimou uma vasta área de pinhal e mato, ainda soutos, vinha e pastos.

Artigo anteriorSeca: Câmara da Guarda pede “consumos regrados” de água a residentes e emigrantes
Próximo artigoCentro de Estudos sobre Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra investiga propagação de grandes incêndios com apoio da REN

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui