Início Educação Refugiados que chegam às escolas portuguesas podem continuar a aprender em ucraniano

Refugiados que chegam às escolas portuguesas podem continuar a aprender em ucraniano

106
0

As crianças e jovens que chegam às escolas portuguesas depois de terem fugido da guerra na Ucrânia, podem continuar a ter aulas ‘online’ em ucraniano, mas aprender português é obrigatório.

Desde o início da invasão da Ucrânia pela Rússia, as escolas portuguesas já receberam 2.115 alunos, de entre os milhões que fugiram do país no último mês.

O plano seria a integração progressiva no currículo português, a começar com as aulas de Português Língua Não Materna, mas as orientações mais recentes que a Direção-Geral da Educação (DGE) enviou às escolas preveem uma outra opção: que os alunos possam também continuar a frequentar o sistema ucraniano.

Publicidade

Para alguns alunos, a escola de origem, agora a milhares de quilómetros de distância, conseguiu manter o ensino ‘online’ e passou a estar à distância de um clique, mas a nova sala de aula é na escola portuguesa, que assegura os meios necessários.

No entanto, há também alunos que querem continuar a aprender em ucraniano, mas não têm a opção das aulas ‘online’ da escola antiga. Nesses casos, podem recorrer ao ensino remoto de emergência na Ucrânia, através da plataforma Escola Online Nacional, com aulas em todas as disciplinas e todos os níveis de ensino.

Em qualquer dos casos a disciplina Português Língua Não Materna é sempre obrigatória, por isso a DGE sugere que os estabelecimentos de ensino definam o período de permanência na escola em articulação com o horário das aulas ‘online’ e tendo em conta a idade, o nível de ensino, as aulas de português e outras medidas de integração.

“O ensino à distância também é recomendado para crianças com necessidades educativas específicas e, nestes casos, os professores e pais/encarregados de educação podem implementar um currículo personalizado usando diferentes canais de comunicação”, refere o documento enviado às escolas.

As crianças mais novas, do pré-escolar, também podem manter as aulas em ucraniano, através de programa “NUMO” do Ministério da Educação e Ciência ucraniano, com recursos ‘online’ para o jardim-de-infância.

Os novos “guiões de trabalho”, como os classificou hoje o ministro da Educação, João Costa, atualizam também as recomendações para a integração dos alunos ucranianos que optem pelo currículo português.

Com um enfoque particular no bem-estar físico e emocional e no desenvolvimento da empatia, a DGE recomenda, por exemplo, que sejam aproveitados os alunos ucranianos que já estão há mais tempo nas escolas para assumirem o papel de mentores para “orientar os recém-chegados, numa perspetiva de integração, de aprendizagem e de orientação por pares”.

É também sugerido que as escolas promovam “integrações significativas”, com o objetivo de desenvolver o sentimento de pertença dos novos alunos e, em simultâneo, o domínio progressivo da língua portuguesa, que estabeleçam ligações entre as culturas portuguesa e ucraniana e promovam a partilha de experiências, a ligação à comunidade, a atividade física através do Desporto Escolar e a participação em atividades de enriquecimento curricular.

O documento lista ainda um conjunto de escolas e associações ucranianas em Portugal, com as quais os estabelecimentos de ensino podem estabelecer parcerias, que permitam diversificar as experiências que facilitem a integração e manter a ligação à língua e cultura ucranianas.

A DGE enviou também para o pré-escolar um novo guia para o acolhimento das crianças, com sugestões para facilitar a aprendizagem do português e a integração numa nova escola, com atividades que promovam a proximidade com os novos colegas e os educadores.

Artigo anteriorFC Porto falha primeira presença nos ‘quartos’ da ‘Champions’ de andebol
Próximo artigoCiclista Wout van Aert falha Amstel Gold Race mas já pode regressar aos treinos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui