Início Mundo Lusofonia Presidente timorense congratula José Ramos-Horta pela vitória

Presidente timorense congratula José Ramos-Horta pela vitória

57
0

O Presidente timorense congratulou hoje o Presidente eleito, José Ramos-Horta, pela vitória nas eleições, numa declaração em que disse sentir orgulho de ter sido chefe de Estado e garantiu que a sua vida política não terminou.

“Sinto orgulho de ter sido Presidente da República e de ter cumprido o meu mandato durante cinco anos, numa situação difícil, que conseguimos ultrapassar. Como cidadão a minha vida política não termina”, afirmou Francisco Guterres Lú-Olo numa curta conferência de imprensa.

Francisco Guterres Lú-Olo falava numa conferência de imprensa alargada em que participaram, entre outros, o primeiro-ministro, Taur Matan Ruak, o secretário-geral da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), Mari Alkatiri, e responsáveis dos partidos Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) e Os Verdes.

Publicidade

“O resultado provisório da segunda volta das eleições presidenciais confirma que José Ramos-Horta foi eleito Presidente da República para o período 2022 e 2027. Esta é a vontade do povo expressa no boletim de voto, um direito político e democrático garantido na constituição”, afirmou.

“Parabéns ao doutor José Ramos-Horta, Presidente eleito. Confio que cooperará com o Parlamento Nacional, oitavo Governo e Tribunal de Recurso. Parabéns ao povo de Timor-Leste, aos meus compatriotas pelo ambiente de paz, tranquilidade e estabilidade durante o tempo da campanha e da eleição”, afirmou.

Na segunda volta das eleições presidenciais em Timor-Leste, na terça-feira, José Ramos-Horta foi eleito Presidente, com 62,09% dos votos, derrotando o atual chefe de Estado timorense, Francisco Guterres Lú-Olo, segundo resultados finais provisórios.

José Ramos-Horta irá tomar posse, pela segunda vez, a 20 de maio, data em que Timor-Leste celebra 20 anos da restauração da independência.

Lú-Olo, que já parabenizou diretamente José Ramos-Horta, agradeceu o apoio “incondicional” dado pelo seu partido, a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) durante todas as eleições e o apoio adicional dos partidos com quem a força política partilha o Governo, o Partido Libertação Popular (PLP) de Taur Matan Ruak e o Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO), de José Naimori, representado hoje por outro responsável do partido.

Questionado sobre se o resultado eleitoral suscita questões sobre a força da plataforma do Governo, Lú-Olo disse à Lusa que cabe aos três partidos “analisar as perspetivas e falhas e demais avaliações sobre a situação e esta eleição”.

“Continuo a reafirmar o apoio incondicional dos partidos políticos que estão aqui representados pelos seus responsáveis”, disse, contudo.

“Julgo que a eleição no terreno pode-se contar com muitas dinâmicas e isso traduz a liberdade de os cidadãos fazerem a sua escolha”, considerou.

Numa curta declaração à Lusa, Taur Matan Ruak, rejeitou que a derrota seja uma avaliação negativa do Governo.

“O Governo tem que acabar o seu mandato em 2023 e estou confiante que isso vai acontecer, independente das ameaças de possível dissolução [do Parlamento]”, afirmou.

“Temos uma maioria que com certeza está sólida”, disse ainda.

Artigo anteriorGoverno alemão promete 37 milhões de euros para reconstrução
Próximo artigoSatélites Copérnico mediram verão de 2021 como mais quente de sempre em ano de contrastes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui