Início Política Costa pressiona acordo na concertação social para valorização salarial

Costa pressiona acordo na concertação social para valorização salarial

95
0
O primeiro-ministro, António Costa (3D), acompanhado pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (2E) e o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues (2D), no final da cerimónia de assinatura do acordo sobre "Formação Profissional e Qualificação: um desígnio estratégico para as Pessoas, para as Empresas e para o País", no Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, 28 de julho de 2021. MÁRIO CRUZ/LUSA

O primeiro-ministro destacou a importância do acordo de concertação social hoje assinado para a formação profissional, mas considerou que tem de ser completado com compromissos sobre valorização salarial e conciliação entre vida profissional e familiar.

António Costa deixou esta mensagem no Picadeiro Real do Museu dos Coches, em Lisboa, no final da cerimónia de assinatura do acordo tripartido (Governo, UGT e confederações patronais) sobre formação profissional – o primeiro desde que o antigo líder parlamentar socialista Francisco Assis preside ao Conselho Económico e Social, e que só não envolveu a CGTP-IN.

“Este acordo não pode deixar de ser visto em paralelo com três outros temas que estão em discussão na concertação social”, sustentou o líder do executivo, apontando em primeiro lugar o objetivo de conciliação da vida profissional com a vida familiar.

Publicidade

“Não é possível termos este esforço de formação sem haver maior conciliação destas dimensões diversas da vida”, justificou, antes de apontar como segundo desafio a existência de uma “agenda de trabalho digno”.

“É fundamental o reforço da dignidade do trabalho e o combate à precariedade laboral. Não há esforço e investimento que valham a pena em formação se houver precariedade, porque é um desperdício de recursos”, advogou, num discurso em que elogiou o papel da concertação ao nível do diálogo social.

Depois, na perspetiva de António Costa, a concertação social deve chegar a um acordo “sobre a valorização salarial, em particular das jovens gerações, sem o qual este esforço de aposta na qualificação não será percebido por quem tem de o fazer como valendo a pena para progredir na respetiva carreira”.

“Não há emprego para a vida, mas também tem de haver oportunidades ao longo de toda a vida. E isso implica necessariamente uma aposta na valorização dos rendimentos. Quero reafirmar a todos os parceiros da concertação social que o Estado se considera parte no esforço coletivo que a sociedade portuguesa tem de fazer para aumentar o rendimento disponível das famílias”, frisou.

O primeiro-ministro defendeu em seguida que o seu Governo já tem feito esse esforço para o aumento do rendimento disponível das famílias – “e está disponível para o continuar a fazer e encontrar novas formas de o fazer”.

“Nos últimos anos, o Governo introduziu novidades importantes em matéria fiscal, como o IRS jovem, onde, nos três primeiros anos de descontos, houve uma redução significativa da coleta. Mas também o temos feito através de um conjunto de políticas públicas que aumentam o rendimento disponível das famílias através de transferências não monetárias, caso mais exemplar do investimento dos passes nos transportes públicos”, referiu ainda.

Artigo anteriorAtuação de Jovem Orquestra Portuguesa em Berlim adiada para 2022
Próximo artigoCALDAS TV: Caldense João Almeida foi 16.º no contrarrelógio, Roglic campeão – Jogos Olímpicos

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here