Início Saúde Covid-19: Variante da África do Sul aumenta em Portugal e gera preocupação

Covid-19: Variante da África do Sul aumenta em Portugal e gera preocupação

212
0
A ministra da Saúde, Marta Temido (2-D), conversa com o coordenador da 'task force' para o plano de vacinação em Portugal, vice-almirante Henrique Gouveia e Melo (D), e o presidente do Infarmed, Rui Santos Ivo (E), à chegada para a XIX sessão de apresentação sobre a “Situação Epidemiológica da covid-19", no Infarmed, em Lisboa, 13 de abril de 2021. MÁRIO CRUZ/LUSA

A variante do vírus SARS-CoV-2 identificada na África do Sul está a gerar “alguma preocupação” pelo crescimento recente em Portugal, admitiu hoje o investigador João Paulo Gomes, do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA).

“No que diz respeito à variante da África do Sul, temos até à data de hoje 53 casos confirmados. Temos de estar muito atentos ao controlo de fronteiras, não só ao nosso, mas ao dos outros, porque esta variante é preocupante. Há de facto alguma preocupação, um aumento de casos com algum significado”, frisou, sublinhando: “O que estamos a ver é a ponta do icebergue”.

Numa intervenção, na reunião que junta, no Infarmed, em Lisboa, especialistas, membros do Governo e o Presidente da República, para fazer uma avaliação da situação epidemiológica, o especialista na análise das mutações do vírus responsável pela pandemia de covid-19 declarou que a variante sul-africana exige atenção.

Publicidade

De acordo com o investigador do INSA, a variante da África do Sul era responsável por 0% dos casos de covid-19 em Portugal em janeiro e no mês de março teve um “crescimento significativo”, ao representar 2,5% dos casos.

Apesar de reconhecer que está em linha com a maioria dos países europeus, João Paulo Gomes estimou que esta variante tenha cerca de 200 casos a circular em Portugal e que tenha chegado também a partir de Moçambique e de Espanha.

Quanto às outras variantes de preocupação, a associada ao Reino Unido é já tida como dominante, ao ter atingido os 83% no mês passado, sendo “normal que já passe esse número”, segundo o especialista.

“Temos de nos conformar com o domínio na nossa situação epidemiológica de uma variante mais transmissível”, observou.

João Paulo Gomes adiantou também que a variante associada à cidade brasileira de Manaus correspondeu até ao momento a 29 casos confirmados em solo nacional, o que se traduz em 0,4% dos casos em março, algo que descreveu como uma “ótima notícia” pelos “níveis residuais” de disseminação. Já a variante brasileira P.2 (diferente da variante de Manaus) significou somente 0,1% dos casos no mês passado.

“No que diz respeito à vigilância das variantes de preocupação, a situação atual não é impeditiva da continuação do plano de desconfinamento”, na opinião do investigador do INSA, que reiterou apenas a necessidade de manutenção da vigilância.

Em Portugal, morreram 16.918 pessoas dos 827.765 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.