Início Mundo América Covid-19: Brasil regista mais 1.803 mortes e 37.017 novos casos

Covid-19: Brasil regista mais 1.803 mortes e 37.017 novos casos

217
0

O Brasil registou nas últimas 24 horas mais 1.803 mortes e 37.017 novos casos de infeção por covid-19, o que eleva para 353.137 o total de vítimas mortais, segundo dados oficiais hoje revelados.

De acordo com o balanço do Ministério da Saúde, o país sul-americano totaliza um acumulado de 13.482.023 pessoas infetadas pela doença, desde o início da pandemia.

O número de novos casos e de mortes registados hoje é o mais baixo da última semana. Mas os responsáveis da saúde reiteraram, tal como já tinham dito em relação à diminuição verificada no sábado, que estes são normalmente mais baixos aos fins de semana, devido a uma redução de pessoas de serviço no registo de dados.

Publicidade

No sábado tinham sido anunciados 71.832 novos casos de infeção e 2.616 mortes por covid-19.

O número médio de infeções diárias nos últimos sete dias aumentou para 71.010, após uma média de 64.324 registada no domingo passado, e próximo da média diária máxima atingida no Brasil em 27 de março (77.129 casos) deste ano.

O mesmo não aconteceu com o número médio de mortes, que, após ter caído para 2.747 mortes por dia há uma semana, atingiu agora 3.101 vítimas, próximo da média diária máxima a que o país chegou em 01 de abril (3.117 mortes).

Os dados do balanço mostram que a taxa de mortalidade aumentou numa semana de 157,7 para 168 por 100.000 habitantes e, no mesmo período, a incidência passou de 6.179 para 6.415 por 100.000 habitantes.

O Brasil, com os seus mais de 210 milhões de habitantes, está a atravessar a pior fase da pandemia desde que o coronavírus chegou ao país, há pouco mais de um ano, e continua a ser a segunda nação do mundo com o maior número de mortes e infeções por Covid-19.

Além do agravamento da crise pandémica, o processo de vacinação no Brasil está a ser lento, devido à falta de doses disponíveis.

Segundo o Ministério da Saúde, até agora foram distribuídas mais de 47 milhões de doses em todo o país, das quais cerca de 25,3 milhões foram já administradas.

Desse total, cerca de 19,8 milhões de pessoas – 9,4% da população do país – receberam a primeira dose e outros 5,5 milhões – 2,6% da população total – já receberam a segunda dose.

Hoje, ficou concluída a vacinação em massa de toda a população adulta – cerca de 30.000 pessoas – de Serrana, cidade localizada no interior do estado de São Paulo, com 45.000 habitantes, num projeto sem precedentes no mundo que procura analisar a capacidade da vacina Coronavac para reduzir a taxa de infeção por covid-19.

Embora os primeiros resultados do chamado “Projecto S” (Projeto Serrana) sejam conhecidos até meados de maio, a perspetiva já é positiva em Serrana, uma vez que nenhum paciente foi entubado na cidade desde há 10 dias.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) alertou, porém, num boletim divulgado na sexta-feira, para um cenário crítico e para o agravamento na saturação do sistema de saúde dos estados do Sul e Centro-Oeste do país nas próximas semanas.

Isto porque as próximas semanas deverão refletir a situação naquelas regiões entre o final de março e início de abril, quando o Distrito Federal, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso registaram as maiores taxas tanto de novos casos como de mortalidade por covid-19 de todo o Brasil.

Goiás e Mato Grosso do Sul também apresentaram, no mesmo período, um elevado número de óbitos.

“Esse padrão coloca as regiões Sul e Centro-Oeste como críticas para as próximas semanas, o que pode ser agravado pela saturação do sistema de saúde nesses estados”, refere a Fiocruz.

Quanto às taxas de ocupação do sistema de saúde, até ao dia 5 de abril, 19 estados e o Distrito Federal estão com taxas de ocupação dos hospitais superiores a 90%. Em relação a camas de cuidados intensivos, 21 estados estão com taxas de ocupação superiores a 90%.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.929.563 mortos no mundo, resultantes de mais de 135,3 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.