Início Comunidades Associações das comunidades portuguesas em 17 países vão receber 700 mil euros

Associações das comunidades portuguesas em 17 países vão receber 700 mil euros

388
0

As associações das comunidades portuguesas na Venezuela vão receber a maior fatia dos 700 mil euros que o Governo português vai distribuir este ano a 65 organizações em 17 países, segundo dados oficias.

Segundo um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros, em 2021 será atribuído o montante mais elevado desde 2018 através do concurso anual de apoio ao movimento associativo das comunidades portuguesas, que tem um novo enquadramento legislativo.

Os dados preliminares avançados hoje referem que mais de 700 mil euros serão distribuídos por 101 candidaturas propostas por 65 associações de 17 países.

Publicidade

“A Venezuela é o país a cujas associações se prevê atribuir o maior montante em termos globais, de cerca de 190 mil euros. Segue-se França, com 149 mil euros, que tem o maior número de associações admitidas a avaliação”, lê-se no comunicado.

Este apoio é dirigido a associações e federações das comunidades portuguesas, bem como a outras pessoas coletivas, nacionais ou estrangeiras, legalmente constituídas há mais de um ano, sem fins lucrativos ou partidários, e que visam o benefício sociocultural da diáspora.

A mesma nota indica que o número de associações credenciadas aumentou 43% face a 2020, existindo 96 associações com sede em 20 países, incluindo Portugal.

São prioritárias as ações do movimento associativo que privilegiem a promoção da língua e da cultura portuguesas, os jovens, a inclusão social, a capacitação e a valorização profissional, a participação cívica e política, o combate à xenofobia e o diálogo com as micro e pequenas empresas dos portugueses residentes no estrangeiro que queiram investir em Portugal.

Em 2018 o Governo apoiou este movimento associativo com 305 mil euros e, no ano seguinte, com 588 mil euros. Em 2020, o valor atribuído foi de 503 mil euros.

Artigo anteriorPetição exige que apoios do Programa Regressar sejam extensíveis às regiões autónomas
Próximo artigoCovid-19: Vacina da AstraZeneca é segura e não é responsável por coágulos – EMA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui