Início Saúde Covid-19: Timor-Leste aprova medidas de execução do estado de emergência

Covid-19: Timor-Leste aprova medidas de execução do estado de emergência

275
0

O Governo de Timor-Leste aprovou hoje as medidas de execução do Estado de emergência, renovado pelo Presidente, que vigorará a partir das 00:00 de 03 de janeiro e se prolonga até às 23:59 de 01 de fevereiro.

O Conselho de Ministros, reunido hoje, em Díli “aprovou o projeto de Decreto do Governo, apresentado pelo Primeiro-Ministro em exercício, José Maria dos Reis, referente às medidas de execução do estado de emergência, renovado pelo Decreto do Presidente da República (…), de 30 de dezembro”, para evitar a propagação da pandemia de covid-19, refere o executivo em comunicado após o encontro.

“O estado de emergência, agora renovado, abrange todo o território nacional e vigora entre as 00.00 horas do dia 3 de janeiro de 2021 e as 23.59 horas do dia 1 de fevereiro de 2021”, esclarece o documento.

Publicidade

Assim, e de acordo com o decreto agora aprovado o governo recomenda a todas as pessoas que não estão sujeitas a isolamento obrigatório e que não exerçam qualquer atividade profissional, ou se encontrem dispensados de comparecer no local de trabalho, que “permaneçam nas suas residências, limitando as suas deslocações ao exterior ao mínimo indispensável”.

O diploma determina que quem não esteja em isolamento obrigatório e se possa deslocar na via pública o faça desacompanhado, usando máscara, observando a distância de, pelo menos, um metro relativamente aos demais transeuntes e que evite a formação de aglomerados de pessoas.

“Todos os indivíduos devem igualmente manter uma distância, de, pelo menos, um metro”, quando estejam em filas a aguardar pela sua vez para entrarem em estabelecimentos comerciais, de prestação de serviços ou instalações da administração pública, bem como, nos locais de entrada e saída de passageiros dos transportes públicos.

Além disso, o Governo proíbe a realização de reuniões e manifestações, bem como, quaisquer eventos sociais, culturais ou desportivos que impliquem a aglomeração de mais de dez pessoas.

Porém, “esta proibição não se aplica à prática desportiva individual, que não implique a aglomeração de pessoas”, refere o comunicado.

“É também proibida a realização de quaisquer eventos de cariz religioso, nomeadamente celebrações de culto que impliquem a aglomeração de mais de dez pessoas”, adianta o documento.

Quanto à realização de funerais “está condicionada à adoção de medidas organizacionais que previnam a transmissão do vírus SARS-CoV-2 e não deve implicar a presença, em simultâneo, de mais de dez pessoas”.

Os transportes públicos de passageiros podem circular, mas os veículos devem ser diariamente higienizados antes de iniciarem a atividade e os motoristas, as tripulações e os passageiros são obrigados a usar máscaras de proteção da boca e do nariz.

Além disso, os passageiros devem evitar, entre si e na medida do possível, qualquer forma de contacto físico, especifica ainda o diploma do Governo.

Os mercados e todos os estabelecimentos comerciais, industriais, artesanais ou de prestação de serviços podem funcionar.

Mas, as pessoas que vão a estes sítios devem usar máscara, lavar as mãos antes de entrar nas instalações ou recintos e respeitar a distância de, pelo menos, um metro relativamente a outros indivíduos.

Já os responsáveis pelos mercados e estabelecimentos devem disponibilizar as condições necessárias para o cumprimento das regras e devem “recusar a entrada a quem não cumpra com disposto anteriormente”.

As mesmas regras vigoram também para instalações de serviços públicos.

Relativamente aos vendedores ambulantes, o diploma determina que devem manter obrigatoriamente uma distância de, pelo menos, um metro relativamente aos clientes, bem como em relação a outros vendedores e devem usar permanentemente máscara de proteção da boca e do nariz, bem como assegurar a higienização das mãos.

O diploma não impõe, porém, nenhuma proibição para o funcionamento das escolas.

As normas para a prevenção e controlo da epidemia de covid-19 foram aprovadas por diploma ministerial conjunto dos membros do Governo responsáveis pelas áreas da saúde, da educação e do ensino superior, esclarece o comunicado.

Sobre o papel dos agentes das forças de segurança o documento sublinha que estes devem sensibilizar todos os indivíduos para a necessidade de cumprirem com disposto no decreto do Governo.

Contudo,”os agentes das forças de segurança identificam os indivíduos que desrespeitem as ordens emanadas e participam a ocorrência ao Ministério Público, podendo os infratores incorrerem em responsabilidade criminal, nos termos do Código Penal”, determina o decreto.

Entre os países lusófonos em África, Angola regista 403 óbitos e 17.371 casos, seguindo-se Moçambique (163 mortos e 18.372 casos), Cabo Verde (112 mortos e 11.752 casos), Guiné Equatorial (86 mortos e 5.264 casos), Guiné-Bissau (45 mortos e 2.446 casos) e São Tomé e Príncipe (17 mortos e 1.014 casos).

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo maior número de mortos (192.681, em mais de 7,5 milhões de casos), depois dos Estados Unidos.

Artigo anteriorDavid Guetta promove concerto de fim de ano através das redes sociais
Próximo artigoCovid-19: Mais 79 mortes e 6.049 novos casos nas últimas 24 horas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui