Início Saúde Covid-19: Brasil reporta 654 mortes e 47.898 casos nas últimas 24 horas

Covid-19: Brasil reporta 654 mortes e 47.898 casos nas últimas 24 horas

163
0
A Índia é o terceiro país do mundo em número de infetados, depois dos Estados Unidos e Brasil.

O Governo brasileiro reportou hoje 654 mortes e 47.898 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, com o país a totalizar 170.769 óbitos e 6.166.606 infeções desde o início da pandemia.

De acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde, a taxa de incidência da doença no Brasil é agora de 81,3 mortes e 2.934 casos por cada 100 mil habitantes.

São Paulo (1.224.744), Minas Gerais (403.542), Bahia (390.909) e Rio de Janeiro (343.995) são os estados brasileiros que totalizam maior número de infeções.

Publicidade

Por outro lado, as unidades federativas com mais mortes são São Paulo (41.601), que é foco da pandemia no país, seguido pelo Rio de Janeiro (22.256), Minas Gerais (9.858) e Ceará (9.530).

Em relação ao total de recuperados, mais de 5.5 milhões de pessoas já se curaram da covid-19 no Brasil, enquanto que 482.990 pacientes infetados estão sob acompanhamento médico.

A cidade do Rio de Janeiro, capital do estado homónimo, encontra-se sem camas disponíveis nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), no Sistema Único de Saúde (SUS), para atender pacientes com o novo coronavírus, segundo o canal televisivo Globo News.

Segundo dados levantados na manhã de hoje, a fila de espera já era maior do que o número de vagas disponíveis: 86 pacientes precisavam de internação na UTI devido à covid-19, enquanto havia apenas 37 camas disponíveis.

A capital ‘fluminense’ é a cidade mais afetadas em todo o estado do Rio de Janeiro, com 13.115 casos de infeção e 22.256 óbitos.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), reconhecido centro de investigação médica brasileiro, indicou hoje que, pela primeira vez desde julho, regista-se uma tendência de aumento em todo o país nos casos de síndrome respiratória aguda grave (SARS).

A SARS pode ser causada por vários vírus respiratórios, mas, este ano, quase 98% dos casos no Brasil dizem respeito ao novo coronavírus (Sars-CoV-2), segundo a Fiocruz.

“Não acho que tenhamos de ficar numa discussão ‘já é segunda onda/não é segunda onda’. Essa categorização é secundária. O que precisamos estar atentos é: está indo para onde? Está num nível tranquilo? Se voltar a subir a partir do patamar atual, quanto tempo temos para agir?”, escreveu na rede social Twitter o coordenador do programa InfoGripe da Friocruz, Marcelo Gomes.

Com várias farmacêuticas a entrarem nas etapas finais das suas potenciais vacinas contra a covid-19, a norte-americana Pfizer anunciou hoje que enviou à Agência Nacional de Vigilância (Anvisa, órgão regulador do Brasil) os primeiros dados dos testes da BNT162b2, o seu imunizante para combater a doença causada pelo novo coronavírus.

O procedimento não significa que a farmacêutica pediu o registo do produto no país, mas que está a preparar uma futura solicitação.

“Esse é um importante passo para que o imunizante esteja disponível no Brasil. A Pfizer disponibilizará todos os dados necessários para avaliação e estará em total colaboração com a Anvisa para que esse processo transcorra da melhor maneira e o mais rapidamente possível”, afirmou, em comunicado, a diretora médica da Pfizer Brasil, Márjori Dulcine.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.415.258 mortos resultantes de mais de 60 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.