Início Economia Abastecimento do aeroporto de Lisboa decorre com “maior regularidade”

Abastecimento do aeroporto de Lisboa decorre com “maior regularidade”

429
0

O abastecimento ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, está a acontecer hoje com “maior regularidade”, mas ainda não permite levantar as medidas de restrição, revelou a ANA — Aeroportos de Portugal.

Em resposta escrita à Lusa, fonte oficial da gestora indicou que “o abastecimento ao Aeroporto Humberto Delgado decorre, hoje, com maior regularidade do que ontem [segunda-feira]. No entanto, o fluxo de combustível ainda não é suficiente para retirar as medidas de restrição ao abastecimento das aeronaves”.

A ANA adiantou também que está “em conjunto com o Governo, empresas petrolíferas, companhias aéreas e ‘handlers’ [empresas de assistência aos passageiros e aos aviões], a acompanhar e a avaliar a situação, com vista à minimização do impacte na operação”.

Publicidade

Durante o primeiro dia da greve, que ocorreu esta segunda-feira, dia 12, a ANA deu conta de que o ritmo de abastecimento no Aeroporto Humberto Delgado era “insuficiente, em níveis bastante abaixo do estipulado para serviços mínimos”, provocando “restrições à operação”.

Numa resposta escrita enviada à Lusa na segunda-feira, gestora aeroportuária informou que estava a avaliar continuamente o impacto da greve dos motoristas no abastecimento de combustível nos aeroportos da sua rede.

O ritmo de abastecimento “insuficiente” verificado nessa altura levou à implementação de restrições à operação, “nomeadamente na redução de abastecimento de aeronaves”, segundo a mesma fonte.

Esta é uma medida preventiva para dosear o combustível, tendo em conta a dificuldades de abastecimento.

Com estas iniciativas, as companhias aéreas poderão abastecer noutros aeroportos ou antes de voar para Lisboa.

A greve que começou na segunda-feira, por tempo indeterminado, foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objetivo de reivindicar junto da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Ao fim do primeiro dia de paralisação, o Governo decretou a requisição civil, alegando o incumprimento dos serviços mínimos.

Artigo anteriorRio Ave garante empréstimo do defesa central Aderllan Santos
Próximo artigoNormalizada circulação ferroviária em Setúbal após fogo dominado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui