Início Comunidades Malásia: Luzes e alegria do Natal dos “portugueses” atraem milhares de pessoas

Malásia: Luzes e alegria do Natal dos “portugueses” atraem milhares de pessoas

2370
0

O Natal dos descendentes dos portugueses em Malaca atrai milhares de pessoas ao bairro português da cidade, sobretudo pela decoração das ruas e das casas, mas também pela alegria e hospitalidade dos habitantes.

No Portuguese Settlement, a três quilómetros do centro de Malaca, vivem cerca de mil descendentes de portugueses e nesta quadra, o bairro recebe “entre 800 a 1000 pessoas por dia”, disse à Lusa o chefe da comunidade, Raymond Lopez.

Os dias que antecedem o Natal são de azáfama no bairro de 28 hectares, com cada família a investir muito tempo e dinheiro nas decorações. Para além das iluminações, nas pequenas ruas há casas onde as luzes vestem árvores e pilares, num cenário onde o presépio é o destaque, embora alguns moradores optem por fazer a diferença com animais ou anjos gigantes, preparados para oferecer aos turistas a melhor fotografia.

Publicidade

As celebrações começaram no domingo, mas nos dias anteriores já havia trânsito para entrar no bairro à noite, num país de maioria muçulmana que acorda cedo, tornando necessário pagar um reforço policial durante esta quadra para gerir o trânsito.

O bairro parece nunca adormecer, lembrando as festas de verão portuguesas, com crianças a andar de bicicleta e sem pressa de ir para a cama e grupos de amigos a comer e a beber nos restaurantes ao ar livre em frente ao mar, onde durante todo o ano se promove o “marisco português”.

No centro do bairro, há uma árvore de Natal gigante junto ao palco e ao sino recentemente oferecido pelo duque de Bragança.

“O Portuguese Settlement era muito pacífico e as pessoas adoram-no dessa forma”, mas hoje, depois da missa, “uma pessoa não está mais segura”, porque há pessoas que “não te respeitam” e trazem ‘spray’ para atacar os outros no meio da multidão, lamenta.

Alegria característica do bairro vem “talvez de Portugal”

Há dias que Sara Frederica Santa Maria, que protege a tradição dando aulas do crioulo português e de danças tradicionais, anda atarefada a fazer doces de Natal, como pequenos bolos de ananás, tal como grande parte da comunidade.

No jantar da consoada, Sara recebe os filhos que estudam fora e serve peru e vinho, “claro”, para brindar com “saodi”.

Andrew De Mello, cantor pop e dono de um bar cheio de símbolos e bandeiras de um país que nunca visitou, realça que “os impostos para o álcool são muito elevados”, mas mesmo assim o negócio vai bem.

De acordo com o irmão e um dos responsáveis do Portuguese Settlement Heritage Museum (Museu da Herança do Povoado Português, em inglês), Christopher De Mello, o dia 25 é para ir de casa em casa e beber “cerveja, uísque e vinho” até ficar “tokadu”.

Quase todas as casas estão abertas no dia de Natal mesmo para desconhecidos que visitem o bairro, sendo-lhes oferecida comida e bebida.

Christopher De Mello conta que até alguns muçulmanos vêm ao bairro e aproveitam para beber longe das autoridades religiosas e policiais, num país que não é governado de acordo com a Sharia (lei islâmica).

“A maioria dos muçulmanos em Malaca têm uma mente aberta e são muito bons bebedores, mas eles têm de se esconder”, realça, frisando que muitos malaios “dizem que amam o povo português” porque é “muito feliz”.

O malaio, que prefere ser assemelhado aos portugueses, acredita que a alegria característica do bairro vem “talvez de Portugal”, porque “dizem que as pessoas em Portugal adoram beber, divertir-se e cantar”.

As semelhanças estendem-se à missa, com os fiéis a beijarem a imagem de Jesus, e à solidariedade, já que muitos “dão comida aos orfanatos e aos pobres”, por vezes, através da igreja ou por iniciativa própria, de acordo com o pároco Michael Mannayagam.

Nesta época, os mais novos fazem grupos e “vão de casa em casa cantar canções” de Natal. Também os grupos de música e de dança tradicionais portuguesas do bairro têm uma quadra atarefada com deslocações a vários pontos do país.

Nesta comunidade maioritariamente católica e onde a promoção da cultura é vista como a defesa da identidade e da sua existência enquanto grupo, o Natal é a festa mais proeminente, embora o Carnaval e os santos populares sejam igualmente motivos de orgulho.

A lealdade aos costumes portugueses ficou desde os tempos em que o colonizador Afonso de Albuquerque aqui chegou, há mais de 500 anos, promovendo uma estratégia de miscigenação, embora a maioria dos habitantes nunca tenha estado em terras lusas.

Artigo anteriorGérard Depardieu vai rodar filme em Portugal
Próximo artigoCortiça portuguesa em destaque no Museu de Arte Contemporânea de Bordéus

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui