Início Culturas Cinema Uma empregada doméstica, candidata brasileira aos Óscares, nos cinemas portugueses

Uma empregada doméstica, candidata brasileira aos Óscares, nos cinemas portugueses

771
0

Lisboa, 09 nov (Lusa) – O filme brasileiro candidato às nomeações para os Óscares de 2016, “Que horas ela volta?”, da realizadora Anna Muylaert, vai ter uma antestreia em Portugal, na próxima sexta-feira, no âmbito do Lisbon & Estoril Film Festival.

A projeção da longa-metragem, já distinguida nos festivais de cinema de Berlim e de Sundance, nos Estados Unidos, será feita no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, estando prevista a presença da realizadora, e verifica-se cerca de três semanas antes da chegada do filme às salas portuguesas, anunciada para o início de dezembro.

Indicado como candidato brasileiro à nomeação para o Óscar de melhor filme estrangeiro, “Que horas ela volta?” foi elogiado pela imprensa internacional, em particular pelas revistas Variety e Hollywood Reporter, que destacaram as interpretações e o argumento, e causou debates no Brasil, onde ainda é comum famílias da alta burguesia contratarem empregadas domésticas internas.

Publicidade

A obra trata as relações, algumas vezes perversas, entre patrões e empregados, expondo o tratamento discriminatório de que são alvo, em termos de direitos.

“Que horas ela volta?”, conta a história de uma mulher, que deixou a casa da família, para ir trabalhar, e vive na casa dos patrões, perdendo o contacto diário com a filha, que acabará por a ir à sua procura.

A protagonista, Val, trabalha para uma família rica de São Paulo, cuidando da lida da casa e do filho dos donos (o título inglês do filme é “The second mother”/”A segunda mãe”).

Anos mais tarde, toda a ordem estabelecida é posta em causa, com a chegada da sua filha adolescente, Jéssica, à casa onde trabalha, pondo em evidência as diferenças de tratamento e o comportamento servil a que se sujeita.

“Que horas ela volta?” estreou-se, no Brasil, no verão passado, dando origem a debates, sobre relações de trabalho.

Apenas este ano o poder Legislativo brasileiro aprovou a proposta de Emenda à Constituição, chamada “PEC das domésticas”, que reconhece a igualdade de direitos dos trabalhadores domésticos com os dos restantes trabalhadores.

O filme foi distinguido no Festival de Berlim, no passado mês de fevereiro, com o Prémio do Público e com o da Confederação de Cinemas de Arte e Ensaio.

A obra foi igualmente galardoada no Festival de Sundance, com o prémio especial do júri de melhor interpretação feminina, atribuído ‘ex aequo’ a Regina Casé (Val, a empregada protagonista) e a Camila Márdila (Jéssica, a filha).

O filme foi ainda premiado nos festivais de RiverRun International, na Carolina do Norte (melhor argumento), e de Amesterdão, na Holanda (melhor filme, prémio do público).

Artigo anteriorLuxemburgo: jovens coreógrafos no Cercle Cité
Próximo artigoNovo recorde em 2014 do nível de concentração de gases com efeito de estufa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui