Início Mundo América UE expressa preocupação relativamente a violência pré-eleições na Venezuela

UE expressa preocupação relativamente a violência pré-eleições na Venezuela

862
0

A União Europeia (UE) manifestou, esta quinta-feira, preocupação relativamente ao aumento da violência relacionada com as eleições na Venezuela, depois do assassínio de um dirigente da oposição durante um comício.

“O assassínio de ontem [quarta-feira] do senhor Luis Manuel Díaz, o secretário regional do partido Ação Democrática, marca uma maior deterioração de uma situação já de si tensa no período que antecede as eleições legislativas de 06 de dezembro”, refere em comunicado.´

“O assassínio junta-se a uma preocupante tendência de um crescente número de ataques violentos relacionados com a campanha eleitoral”, salientou o bloco europeu, pedindo uma investigação célere e para que os responsáveis sejam levados à justiça.

Publicidade

“A UE apela às autoridades venezuelanas para que garantam que a campanha eleitoral decorre num ambiente pacífico e ordeiro”, lê-se ainda no mesmo texto.

Luis Manuel Díaz foi morto a tiro na noite de quarta-feira durante um comício organizado pela coligação da oposição Mesa de Unidade Democrática, em Altagracia de Orituco (a 160 quilómetros a sudeste de Caracas).

As primeiras versões, não oficiais, davam conta de que estava em cima de um palco e foi atingido por um tiro disparado a partir de uma viatura em movimento. No entanto, outras fontes indicaram que uma pessoa disparou contra um transformador elétrico e que depois disso o político caiu no chão.

A oposição responsabilizou o Governo venezuelano pelos ataques, enquanto porta-vozes do Partido Socialista Unido da Venezuela, no poder, prometem levar os responsáveis à justiça e acusam a oposição de procurar gerar situações de violência para perturbar as eleições.

Cerca de 19,5 milhões de venezuelanos estão recenseados para votar nas eleições de 06 de dezembro, num escrutínio em que vão ser renovados os 167 lugares que compõem o parlamento venezuelano, incluindo três representantes indígenas.

Segundo as sondagens, a oposição prepara-se para ganhar o controlo da Assembleia Nacional (parlamento) pela primeira vez em 16 anos, isto é, desde que o mentor do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, o falecido líder Hugo Chavéz, chegou ao poder, em 1999.

Artigo anteriorMorte de adolescentes devido à sida triplicou nos últimos 15 anos – UNICEF
Próximo artigo40 anos/Timor-Leste: Ex-refugiados sentem-se discriminados na Indonésia mas temem regressar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui