Início Mundo Atentados em Paris Saint-Denis: o chefe do Raid conta o assalto em detalhe

Saint-Denis: o chefe do Raid conta o assalto em detalhe

1037
0

Jean-Michel Fauvergue, chefe das operações (Raid), contou em detalhe, ao Le Figaro, como os seus homens lidaram com o assalto na quarta-feira de manhã, em Saint-Denis, no norte de Paris. A operação, que durou sete horas, provocou “centenas de tiros” e feriu cinco homens da unidade de elite da polícia.

“O ataque começou às 04h16 e durou 7h. Nós decidimos fazer uma abertura da porta com explosivos, porque é geralmente eficaz e surpreende as pessoas que estão dentro. Infelizmente, como acontece algumas vezes, não funciona bem. A porta blindada mal abriu. Foi difícil entrar e, portanto, o efeito de surpresa não funcionou. Muito rapidamente os nossos rapazes são apanhados numa troca de tiros. Ripostámos”.

“Os terroristas rapidamente instalaram um escudo protetor atrás da porta. Uma porta escudo bastante pesada, colocada numa estrutura com rodas. Não é um sarcófago escudo, mas é parecido.

Publicidade

A troca de tiros durou entre meia hora e três quartos de hora. Centenas de tiros foram trocados. Os terroristas também lançaram granadas. Em seguida, os tiros tornaram-se mais esporádicos, intercalados com períodos de intenso fogo.”

“Depois de um longo tempo sem tiros, foi decidido enviar um cão para fazer o reconhecimento da área. Infelizmente, Diesel foi morta em Úrenneke.”

“Nós tínhamos colocado seis atiradores de elite nas aberturas dos edifícios próximos. Um dos nossos homens vê um terrorista, pede-lhe para levantar as mãos. Isso não acontece. O atirador disparou. O terrorista foi atingido, mas continuou a responder com a Kalashnikov. A troca de tiros continuou por muito tempo.

Então a mulher presente no interior envia uma longa rajada de tiros e segue-se uma grande explosão. As janelas, do lado da rua, voam em pedaços. Um pedaço do corpo, um pedaço de coluna vertebral, cai num dos nossos carros.

A mulher fez-se explodir sozinha no apartamento, esperando que a força da explosão nos afetasse. A explosão não nos afetou, no entanto, as ondas de choque danificaram as paredes. O apartamento ficou enfraquecido, mas não entrou em colapso.

Os tiros de Kalashnikov continuam. Então, passámos a ouvir apenas uma Kalashnikov.

Decidimos trabalhar com granadas de 40 milímetros. Esta é uma granada que contém 40 gramas de explosivo e que é usada para ensurdecer e surpreender os atacantes. Nós lançámos cerca de vinte.

Avançámos cautelosamente no apartamento. Enviámos um drone para olhar através das janelas e clarabóias, mas não nos disse muito.

Enviámos um primeiro robô equipado com uma câmara para reconhecer o lugar. Mas rapidamente ficou bloqueado pelos escombros. Enviámos outro robô maior e maior, utilizado pela segurança civil para a desminagem, mas também não se moveu por causa dos escombros.”

Cinco agentes ficaram feridos, foram atingidos “nos braços, pernas, mãos e no fundo das costas, mas o prognóstico não é comprometedor”. Estiveram 110 homens no terreno.

 

Artigo anteriorMedicamentos doados por portugueses seguem na quinta-feira para refugiados na Argélia
Próximo artigoEscola do Marco ensaia cruzamento de raças de porcos para produzir presunto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui