Início Refugiados ONU alerta que nasce uma criança apátrida a cada dez minutos

ONU alerta que nasce uma criança apátrida a cada dez minutos

613
0
Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

Genebra, 03 nov (Lusa) – A ONU alertou hoje para o problema das crianças apátridas, sublinhando que nasce um bebé a cada dez minutos nesta situação e que o problema ganha novas dimensões com o conflito na Síria e a crise migratória europeia.

Num relatório publicado hoje, a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) refere que 10 milhões de pessoas no mundo são consideradas apátridas, ou seja, não têm nacionalidade, e alerta que essa condição tem efeitos muito nocivos nas crianças, provocando-lhes sentimentos de discriminação, frustração e desesperança que podem prolongar-se até à idade adulta.

O relatório publicado hoje é o maior estudo da ACNUR sobre a questão dos menores apátridas e conta com 250 testemunhos de crianças, jovens, pais e tutores de diversos países e zonas do mundo.

Publicidade

Os menores contam que são tratados como estrangeiros nos países em que vivem. Muitos deles descrevem-se mesmo como “invisíveis”, “extraterrestres”, “a viver na sombra”, “cães de rua” ou “sem valor”. É frequente, ainda, serem-lhes negados direitos como a obtenção de diplomas académicos ou o acesso a diversos postos de trabalho.

A publicação deste documento coincide com o primeiro aniversário do lançamento da campanha “#IBelong# pela ACNUR, que tem como objetivo a abolição da condição de apátridas em 2014.

A ACNUR apela a todos os países que se juntem a esta campanha, considerando que este é um problema “relativamente fácil de solucionar e prevenir”.

Entre as propostas da agência, está que uma criança receba a nacionalidade do país em que nasce caso não possa ter a dos seus pais.

Por outro lado, pede que em todos os países as mulheres possam passar a sua nacionalidade aos filhos, algo que não acontece numa dezena de casos.

A ACNUR pede ainda que sejam abolidas as leis e práticas que negam a pertença a um país a uma criança por causa da raça, etnia ou religião.

Para o alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres, não ter nacionalidade na infância pode originar problemas que “perseguirão” estas pessoas durante anos e as “condenarão” a uma vida de discriminação.

“Nenhuma criança deveria ser apátrida. Todas deveriam pertencer a um lugar”, disse António Guterres, citado num comunicado da ACNUR.

Artigo anteriorDetidos em Madrid três suspeitos de ligações ao Estado Islâmico
Próximo artigoSismo de magnitude 2,8 sentido em Viana do Alentejo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui