Início Acidentes Brasil: contrarrelógio para encontrar sobreviventes após o drama de Mariana

Brasil: contrarrelógio para encontrar sobreviventes após o drama de Mariana

919
0
afp.com/CHRISTOPHE SIMON

Mariana (Brasil) – No meio de um mar de lama ocre, centenas de socorristas brasileiros envolveram-se, no sábado, numa corrida contrarrelógio para encontrar sobreviventes após a catástrofe mineira de Mariana (sudeste), enquanto que as autoridades estão a tentar estabelecer um balanço das vítimas.

Desde a primeira luz do dia, bombeiros, militares, equipas da defesa civil retomaram as suas pesquisa difíceis em helicópteros e veículos de todo-o-terreno.

As buscas centram-se especialmente na aldeia de Bento Rodrigues completamente enterrada na quinta-feira pelo deslizamento gigantesco de terras, devido à rutura de uma barragem que segurava os resíduos de minério de ferro da empresa Samarco.

Publicidade

Cerca de 60 milhões metros cúbicos de lodo foram então lançados no vale. No sábado a fuga atingiu 100 quilómetros de extensão, alcançando outras localidades, num fluxo na direção dos rios.

Dois dias após o acidente, o número de mortos e desaparecidos permanece provisório e contraditório, segundo diversas fontes.

O prefeito de Mariana, cidade de estilo colonial situada a cerca de vinte quilómetros do desastre, disse, no sábado, que o balanço provisório indica um morto e 13 desaparecidos, todos empregados da mina.

“Não há atualmente senão uma pessoa cuja morte está confirmada, mas é óbvio que este número vai aumentar”, disse Duarte Gonçalves Júnior aos jornalistas, no local.

O comandante dos bombeiros de Mariana, Adão Severino Junior, garante que o desastre já matou pelo menos 17 pessoas, cujos corpos ainda estão enterrados na lama, enquanto o sindicato dos mineiros disse que 15 pessoas pereceram.

Além dos funcionários da mina desaparecidos, os habitantes de Bento Rodrigues ainda estavam sem notícias dos seus parentes.

Menina desaparecida

Uma menina de cinco anos chamada Emanuely também desapareceu após ser “arrancada” dos braços do seu pai, que transportava também o seu filho de dois anos ao tentar colocá-los fora de perigo, relatou o diário O’Globo.

“Nós vimos que ele avançava na nossa direção com os dois filhos, mas (…) a menina desapareceu” no lodo viscoso constituído por resíduos da mina, disse ao jornal Marlon Celio, 19 anos, um membro da família.

Posteres com uma foto da menina circulam em Mariana, uma cidade bonita com monumentos barrocos fundada no século XVI, na época da exploração intensiva de ouro, que fez a riqueza do vasto estado de Minas Gerais, o coração da mineração do Brasil.

Na sexta-feira, as equipas de resgate conseguiram evacuar cerca de 500 pessoas em torno de Bento Rodrigues, que tinha 620 moradores, incluindo muitos trabalhadores da mina. Depois de se terem lavado com água e sabão, a maioria foi evacuada para Mariana e alojada em albergues.

Ignoram-se as causas da rutura da barragem de Fundão da empresa Samarco, de propriedade conjunta do grupo brasileiro Vale, líder mundial da exploração de minério de ferro, e a australiana BHP Billiton.

A empresa assegurou que a barragem, que foi objecto de obras de expansão, tinha sido inspecionada em julho e que apresentava “condições totais de segurança.”

Pouco antes do acidente, pequenos tremores de terra, muito comuns nesta região, foram registados. A empresa Samarco também tinha dito, na sexta-feira, que na sequência dos tremores, ela fez deslocar ao local uma equipa de inspeção, mas não notou nada de anormal, uma hora antes do desastre.

Artigo anteriorMadjer eleito melhor jogador do mundo de futebol de praia de 2015
Próximo artigoChelsea derrotado pelo Stoke (0-1)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui