Início Crime Atentados: Português em França relata o que viu

Atentados: Português em França relata o que viu

2479
0

Rodrigo Matos mora na mesma rua do café “La Belle Équipe”, um dos alvos dos ataques de ontem à noite em Paris, e ainda está em choque face ao que aconteceu, a precisamente 150 metros de sua casa.

Rodrigo e Zoe Greenberg estavam a ver um jogo de futebol e a jantar no seu apartamento envidraçado do quarto andar, na rue Faidherbe – onde o café, ao fundo, cruza com a rue de Charonne -, quando ouviram um ruído muito forte, ontem à noite.

“Apaguei o som. Não havia nada. Vim à janela quando começou a segunda rajada. Nesse momento percebi imediatamente que eram tiros de semiautomática e a única reação foi apagar todas as luzes, irmos para longe das janelas, porque não sabíamos se eles estavam a vir nesta direção ou não, quem estava a disparar”, descreveu à Lusa o diretor-geral, em Paris, da empresa Ramos Catarino.

Publicidade

Quando a segunda rajada de tiros parou, o jovem foi à janela espreitar e viu “pessoas na rua, paradas, que não estavam bem a ver o que estava a acontecer – não havia o pânico que era de esperar”. Mas, “passados uns três, cinco minutos”, voltou a ouvir rajadas mais longe. Dez minutos depois apareceu o primeiro carro da polícia e um carro dos bombeiros.

“Depois demorou mais vinte minutos até que toda a gente começou a chegar, chegaram mais carros, ouviam-se sirenes. Por volta das dez, começaram a passar as primeiras mensagens na televisão a dizer o que estava a acontecer. Nós pensávamos que era aqui, no 11.º ‘arrondissement’. Depois, as mensagens eram contraditórias, diziam que era no 11.º, no 10.º [bairro], não sabíamos o que estava a acontecer, estávamos obviamente fechados em casa”, descreveu.

Rodrigo Matos começou então a aperceber-se da amplitude do que se estava a passar, “quando começaram a chegar todas as ambulâncias, uma hora mais tarde”, e viu que as autoridades se começaram a mobilizar para outro sítio, “provavelmente para o Bataclan”.

“Vi os primeiros corpos a passarem dentro das ambulâncias – estamos no quarto andar -, conseguimos ver para dentro da ambulância. Começámos a ver os corpos enrolados naquelas mantas prateadas ou douradas e vimos passar uma, duas, no máximo quatro ambulâncias, mas não havia um grande frenesim. Era estranho, as pessoas continuavam a andar na rua, obviamente alarmadas, alguns no telemóvel, mas nada do outro mundo”, continuou.

Agora Rodrigo e Zoé afirmam que não querem dizer que cedem ao terrorismo ou que estão com medo, “porque isso é que é o terrorismo”, mas sublinham que “há doze horas atrás, ou um pouco mais, houve rajadas de metralhadora ao lado” de suas casas.

“É algo que nos choca. E a insegurança – saímos um bocadinho à rua também para respirar um pouco – e percebe-se que as pessoas estão bastante atentas na rua. As pessoas não estão a fazer a sua vida normal”, explicou, ressalvando que, neste bairro, “não se vê muita polícia na rua”.

Em Paris há quase dois anos, o casal também viveu os ataques ao jornal Charlie Hebdo, mas a diferença, sublinha Rodrigo, “é que o Charlie Hebdo foi direcionado a um determinado grupo de pessoas – primeiro os jornalistas e depois um atentado absolutamente racista contra a comunidade judia”.

“Neste momento, foi absolutamente aleatório e foi para pessoas como nós, com 30 anos, profissionais que trabalham durante toda a semana e que vão tomar um copo, vão tomar um café, vão jantar fora (…). Quantas vezes estamos nós ali ao lado a jantar na pizzaria em frente ou a tomar um copo no tailandês, que está exatamente ao lado do restaurante onde foi o atentado, e isso é que é assustador. Só por matar mais pessoas. Essa é a parte mais aterradora”, concluiu.

Artigo anteriorTGV descarrilou durante ensaios perto de Estrasburgo, cinco mortos confirmados
Próximo artigoDetenções na Bélgica relacionadas com ataques em Paris

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui