Início Mundo Timor 40 anos/Timor-Leste: Lifau, a povoação de “40 ou 50 casas” que foi...

40 anos/Timor-Leste: Lifau, a povoação de “40 ou 50 casas” que foi primeira capital

2130
0

Uma das primeiras crónicas de viagem de Lifau, capital de Timor-Leste até 1769, foi escrita 184 anos depois da chegada dos portugueses pelo navegador e explorador inglês William Dampier, o primeiro homem a circum-navegar o globo três vezes.

Em janeiro de 1699, Dampier assumiu comando do navio HMS Roebuck e, sob comissão do rei Guilherme III, embarcou para explorar a Nova Holanda (como os holandeses conheciam a Austrália) onde chega oito meses depois, viajando depois de algum tempo para norte.

Contorna a ilha de Timor pela metade indonésia da ilha e alcança Lifau, uma povoação “composta por uma igreja e quarenta ou cinquenta casas pobres e baixas, construídas principalmente de lama, caniços e folhas de palmeira”, cujos habitantes Dampier descreve.

Publicidade

“Uma espécie de indianos, de cor acobreada, com cabelo liso preto. Falam português e são católicos romanos, mas tomam a liberdade de comer carne sempre que lhes apetece. Sentem muito orgulho na sua religião e consideram-se descendentes dos portugueses”, escreveu.

“Ficariam muitos zangados se alguém lhes dissesse que não eram portugueses. No entanto vi apenas três brancos aqui, dos quais dois eram padres. E há muito poucos portugueses autênticos em qualquer parte da ilha”, registou Dampier.

Povoado criado em 1556 por um grupo de frades dominicanos, Lifau é para muitos o berço da identidade timorense, assente em três pilares – os reinos tradicionais, a ligação aos portugueses e o catolicismo – que formariam a base do que, mais tarde, seria Timor-Leste.

A primeira viagem portuguesa até Timor é creditada, em parte, aos esforços do capitão de Malaca, Rui de Brito Patalim que, notou o historiador Luis Filipe Thomaz, já no início de 1514 escreveu ao rei D. Manuel a falar da ilha.

Rui de Brito acabaria por ser substituído em meados de 1515 e é o seu sucessor, Jorge de Albuquerque, ou o sucessor deste, Jorge de Brito, que assume funções no final desse ano, a mandar o primeiro junco português a Timor.

Registos dos primeiros tempos de trocas comerciais são escassos em parte porque ao contrário do comércio de Maluco e Banda, que foi considerado monopólio régio, o de Timor permaneceu livre, como notou Filipe Thomaz.

Durante mais de um século os dominicanos fincaram a sua presença em Lifau.

Frei António de S. Jacinto lidera as negociações com o poder tradicional local e os monarcas do Cupão são batizados D. Duarte e D. Mariana, assinando a 29 de dezembro de 1645 um termo de sujeição a Portugal tomando D. João IV como “protetor e amparo”.

O acordo permite a construção de um forte – a primeira construção portuguesa em toda a ilha de Timor – que mesmo sem estar terminado, sete anos depois, cai para os holandeses, que rapidamente se expandem, chamando a si o apoio de vários régulos locais.

A 20 de fevereiro de 1702 e quase 187 anos depois do primeiro junco português chegar a Lifau, na costa norte da ilha de Timor, a Capela de S. António acolhe uma cerimónia sem precedentes na povoação.

António Coelho Guerreiro é empossado por frei Manuel de Santo António como o primeiro governador português de Timor, dando inicio a um período de destaque para Lifau, que até 1769 seria a capital de Timor-Leste.

Luis Filipe Thomaz referiu que a organização montada por Guerreiro sobreviveu praticamente inalterada durante dois séculos, até ao governo de Celestino da Silva (1894-1908), com algumas estruturas, como a organização militar e as companhias de moradores, a manter-se até à ocupação indonésia.

Um dos períodos de maior tensão em Lifau não foi criado pelos timorenses, mas sim pelos intensos e regulares conflitos entre a hierarquia religiosa, nomeadamente o bispo eleito de Malaca, Frei Manuel de Santos António, e os sucessivos governadores.

Em 1765, o governador Dionísio Galvão é envenenado, com as suspeitas a recaírem sobre os caudilhos de Oecusse, Antonio da Costa e Francisco Hornay.

Em resposta, é enviado de Goa António José Teles de Meneses que à chegada a Timor e notando a situação opta por retirar a capital para o reino dos Belos e, a 11 de agosto de 1769, abandona Lifau rumo a Díli onde se instala a nova, e atual, capital de Timor-Leste.

Artigo anteriorJapão ainda tem toneladas de detritos contaminados por Fukushima em depósitos temporários
Próximo artigoTurquia confirma que abateu avião russo, Moscovo nega violação de espaço aéreo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui