Início Mundo Timor 40 anos/Timor-Leste: A rádio que deu as primeiras informações da invasão indonésia

40 anos/Timor-Leste: A rádio que deu as primeiras informações da invasão indonésia

3706
0
Laurentino Pires e Robert Wesley-Smith, transmitindo mensagens de e para a Rádio Maubere, fora de Darwin, por volta de Dezembro de 1977. Esta foto é parte de uma extensa coleção de Wesley-Smith da NFSA.

Díli, 22 nov (Lusa) – Quatro funcionários permanentes e um grupo de estagiários da Universidade Nacional de Timor Lorosae (UNTL) formam o núcleo da Rádio Maubere, criada pela Fretilin em 1975 e que regressou depois de um silêncio de quase 40 anos.

A história da Rádio Maubere começa em 1975 quando a Fretilin (Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente) cria as primeiras brigadas de jovens, oriundos das suas organizações juvenis, para tornar públicas as atividades e princípios programáticos do partido, enquanto divulga informação através do programa Haksolok, transmitido na então Rádio Difusão de Timor.

José Reis, secretário-geral adjunto da Fretilin, disse à Lusa que a decisão de recuperar a Rádio Maubere teve praticamente as mesmas motivações do que quando foi criada: divulgar informação importante e disseminar política à base do partido.

Publicidade

“Depois do golpe, a UDT (União Democrática Timorense) apodera-se da Rádio Difusão, que a Fretilin só recupera depois da contraofensiva, no final de agosto, primeiro reestabelecendo as emissões no quartel-general em Taibesse e, uma semana depois na torre do antigo aeroporto, que agora é a Presidência da República”, contou.

Mari Alkatiri, então comissário político nacional, cria a Rádio Maubere que transmite ininterruptamente até 07 de dezembro seguinte, dia da invasão de Díli, pela Indonésia.

“Quando houve a invasão foi preocupação do Comité Central da Fretilin retirar a rádio para as montanhas”, disse, relembrando que só mais de um ano depois é que as transmissões são retomadas.

Em finais de 1976 a Rádio Maubere, então sob responsabilidade do Departamento de Informação e Segurança (DISN) da Fretilin, começa a transmitir, primeiro em Fehuk Rin, no setor Centro-Sul, passando para o setor Centro-Norte em 1977.

Alarico Jorge Fernandes, então ministro de Informação e Segurança, assume a responsabilidade pela rádio que continua a enfrentar grandes dificuldades apesar de ser, na altura, o único contacto com o exterior, nomeadamente Darwin, norte da Austrália.

Um dos maiores problemas é garantir energia elétrica para o transmissor, com um padre, de nome Leoneto, a criar um sistema ‘ecológico’, com Ernesto Faria e Abel Fernandes a pedalar um sistema de dínamo que carregava as baterias.

No final de 1978 – quando ocorre o cerco de aniquilamento pelas forças indonésias – as bases de apoio da Fretilin ficam praticamente destruídas e a Rádio Maubere acaba por regressar ao silêncio.

A rádio fica silenciosa até já depois da restauração quando, explica José Reis, a Fretilin insiste na importância dos media – no passado já tinha criado o Nakroma e o Jornal do Povo Maubere – e debate recuperar a Rádio Maubere.

Em 2002 retoma a edição do Nakroma, suspenso desde os anos 70 e cria um novo boletim, o Liam Maubere e, finalmente, no segundo Congresso Nacional, em 2006, aprova o renascimento da Rádio Maubere.

Trinta e sete anos depois, a 20 de maio de 2011, a Rádio Maubere volta ao ar na frequência 99.9 Mhz.

Hoje transmite 12 horas diárias de programação, apesar “dos problemas de recursos humanos” com noticiários (em tétum e português), música e programas de desporto, saúde e educação.

“Temos poucos recursos para fazer tudo mas continuamos a considerar a informação importante”, disse José Reis.

No início deste ano Mari Alkatiri, secretário-geral da Fretilin, recordou a importância da Rádio Maubere oferecendo ao Arquivo e Museu da Resistência Timorense (AMRT) o equipamento de rádio usado entre 1975 e 1978.

Usada como única forma de comunicação entre Timor-Leste e o exterior depois da invasão indonésia, a Rádio Maubere esteve, muitas vezes, em movimento pelas montanhas do país.

Com emissões em português, inglês e tétum, a rádio permitiu à Fretilin enviar mensagens codificadas para o exterior que, nos primeiros anos, permitiram perceber a dimensão de algumas das primeiras grandes operações das forças invasoras da Indonésia.

Na Austrália as comunicações eram recebidas por um grupo de timorenses e ativistas australianos que também movimentavam o recetor entre vários locais dentro e fora da cidade de Darwin.

Do lado australiano um dos ativistas que mais comunicações recebeu foi Rob Wesley-Smith, um dos mais conhecidos ativistas australianos pró-Timor-Leste, que doou o equipamento usado em Darwin ao National Film and Sound Archive australiano em dezembro de 2007.

Artigo anteriorNúmero de mortos em deslizamento de terras na Birmânia sobe para 90
Próximo artigoAutora de guia para emigrar diz que crise em Angola aumentou interesse no Reino Unido

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui