Início Crime Violações e canibalismo no Sudão do Sul

Violações e canibalismo no Sudão do Sul

3365
0

Um novo relatório da União Africana detalha casos de violação, tortura, mutilação e até canibalismo forçado na guerra do Sudão do Sul, que dura há quase dois anos.

O documento também contesta a versão do governo de que o conflito, que matou dezenas de milhares de pessoas e obrigou mais de dois milhões a deixarem as suas casas, começou após a tentativa de golpe do vice-Presidente Riek Machar, em dezembro de 2013, contra o Presidente, Salva Kiir.

«A comissão encontrou casos de violência sexual e de género por ambas as partes, praticados contra mulheres», diz o relatório. «Também documentou a crueldade extrema exercida através de mutilação de corpos, incineração de corpos e derramamento de sangue humano das pessoas que tinham acabado de morrer, e forçando outras, de uma comunidade étnica, a beber o sangue ou a comer carne humana queimada.»

Publicidade

Os investigadores, liderados pelo ex-Presidente nigeriano Olusegun Obasanjo, apontam ainda que o conflito no país foi iniciado após uma luta entre os membros da guarda presidencial na capital, Juba, que foi seguida pelos assassínios de civis e soldados da etnia Nuer, organizados pelo governo. Kiir é do grupo étnico Dinka, enquanto Machar é um Nuer.

«Perante todas as informações reunidas pela comissão, as provas não apontam para um golpe de Estado», diz o relatório.

De acordo com o documento, centenas de homens Nuer foram baleados em Juba, enquanto os civis têm lidado com as consequências dos confrontos desde que estes entraram em erupção. A população que não está diretamente envolvida nas hostilidades é a maior vítima das atrocidades.

«Locais religiosos e hospitais foram atacados, a assistência humanitária foi bloqueada, cidades foram saqueadas e destruídas, locais de proteção foram atacados e houve testemunho do possível recrutamento de crianças com menos de 15 anos de idade», aponta o documento.

Por fim, o relatório conclui que os dois lados do conflito cometeram violações dos Direitos Humanos, mas que não há indícios de genocídio.

Artigo anteriorDeustche Bank aumenta para 15 mil os despedimentos
Próximo artigoRui Vitória quer regressar aos triunfos no jogo com o Tondela

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui