Início Desporto Vasco Ribeiro: “Vou dar tudo, é aqui que quero estar”

Vasco Ribeiro: “Vou dar tudo, é aqui que quero estar”

1140
0

Vasco Ribeiro assumiu esta terça-feira a ambição de se qualificar para os quartos de final da etapa portuguesa do circuito mundial de surf, depois de ter sido relegado para a quinta ronda pelo francês Jeremy Flores.

“Fiquei em segundo no meu ‘heat’ e vou agora com o Michel Bourez na quinta ronda. Não vou atirar a toalha ao chão, vou dar tudo. É aqui que quero estar”, escreveu o ‘wild-card’ luso, campeão do mundo de juniores, na rede social Facebook.

Vasco Ribeiro ficou em segundo na terceira bateria da quarta ronda, atrás de Flores, e vai agora defrontar Michel Bourez, da Polinésia Francesa, na repescagem para os ‘quartos’, fase que já conta com o também ‘wild-card’ português Frederico Morais.

Publicidade

“Foi a primeira vez que surfei ali daquele lado, é uma onda boa, mas muito difícil, com muita água, muita corrente e é uma questão de sorte apanhar as melhores ondas e surfá-las bem. Eu não consegui estar nessas ondas, ainda fiz um seis alto, mas faltou-me aquela onda chave”, explicou Vasco Ribeiro.

Os 10,6 pontos (3,93 e 6,67) conquistados pelo surfista de Cascais foram insuficientes perante os 14,63 (7,6 e 7,03) de Flores, nono da hierarquia – que vai reencontrar nos ‘quartos’ caso vença na repescagem -, mas superaram os 8,36 (4,83 e 3,53) obtidos pelo havaiano Keanu Asing.

“Vou continuar a fazer o que tenho feito, que é dar o meu melhor, apresentar o meu surf e tentar vencer o ‘heat’ para estar nos quartos de final”, frisou Vasco Ribeiro, antevendo o embate com Bourez. A outra vaga em aberto nos ‘quartos’ vai ser ocupada pelo brasileiro Gabriel Medina, detentor do cetro mundial, ou pelo havaiano Keanu Asing.

Além de ‘Kikas’, também já estão nos ‘quartos’ os brasileiros Filipe Toledo e Italo Ferreira e Jeremy Flores.

O período de espera do Moche Rip Curl Pro Portugal decorre até sábado.

Artigo anteriorTaça da Liga leva Benfica a casa do Oriental e FC Porto à do Famalicão
Próximo artigoMais de 100 mil portugueses emigraram em 2014, Portugal é “de novo, país de emigração”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui