Início Atualidade REPORTAGEM: Reunificação da Alemanha há 25 anos também juntou portugueses

REPORTAGEM: Reunificação da Alemanha há 25 anos também juntou portugueses

1069
0

A reunificação alemã, formalizada há extamente 25 anos, juntou não apenas alemães mas também portugueses, emigrantes dos dois lados da fronteira.

Arménio Fortunato vivia na antiga República Democrática Alemã (RDA) quando foi assinado há 25 anos o Tratado de Reunificação. Chegou a Manschow em 1983, começou a trabalhar numa cooperativa agrícola e um ano depois já estava à frente de uma brigada.

“A reunificação tem uma importância fundamental porque tive de me estabelecer por conta própria”, explica o português, que seguiu de perto as mudanças a leste: “Acompanhei as privatizações, a desindustrialização, tudo foi feito para que as empresas da RDA não se pudessem desenvolver”.

Publicidade

Helena Araújo vivia a ocidente, em Estugarda, e esperava grandes comemorações depois de formalizada a reunificação.

“Fiquei muito surpreendida pela falta de festejos. No dia seguinte perguntei aos colegas porque não tinham ido festejar e uma delas disse: ‘Não sei porque havemos de fazer uma festa, essa gente só quer o nosso dinheiro'”, recorda a tradutora.

Arménio e Helena são alguns dos portugueses que testemunharam a reunificação alemã a 03 de outubro de 1990, quando a RDA aderiu oficialmente à República Federal da Alemanha (RFA), e recordaram, em declarações à Lusa, a Alemanha dos anos 1980 e 1990, a ocidente e a leste.

Várias dezenas de milhões de euros têm sido investidos em infraestruturas, prestações de desemprego e benefícios sociais e só em 2013 os residentes na Alemanha contribuíram com mais de 14 milhões de euros para a taxa de solidariedade, um imposto extraordinário criado para financiar a reconstrução alemã.

Hoje, a Alemanha celebra hoje os 25 anos da sua reunificação assolada pela crise dos refugiados e o escândalo dos motores manipulados da Volkswagen, que abalaram repentinamente a imagem de nação mais poderosa e bem-sucedida do espaço europeu.

A questão da identidade alemã voltou a colocar-se num país que esteve no centro das grandes crises que atingiram o velho continente no século XX e que culminaram na sua ocupação e divisão pelas potências vencedoras da Segunda Guerra Mundial.

Separadas desde 1945, as duas alemanhas legitimaram a reunificação em 3 de outubro de 1990, menos de um ano após a queda do Muro de Berlim que as dividia, na sequência de um contexto político muito próprio e um envolvimento da sociedade civil que a atual chanceler Angela Merkel, educada da extinta República Democrática Alemã (RDA), recorda com frequência.

Para 2015, a festa anual foi programada para a cidade de Frankfurt, capital financeira do país, com Angela Merkel e o Presidente Joachin Gauck, também proveniente do leste alemão, a presidirem às cerimónias que decorrem sob o lema “Ultrapassar as Fronteiras”.

Artigo anteriorASAE apreende mais de 75 mil litros de vinho
Próximo artigoMigrações: Polícia Marítima portuguesa apoiou e resgatou 80 migrantes no mar Egeu

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui