Início Refugiados Migrações: AI pede a líderes europeus que evitem “desastre iminente” nos Balcãs

Migrações: AI pede a líderes europeus que evitem “desastre iminente” nos Balcãs

788
0

Londres, 24 out (Lusa) – A reunião de líderes europeus de domingo para analisar a crise dos migrantes deve evitar um “desastre iminente” para os que tentam chegar ao norte da Europa através dos Balcãs, alertou hoje a Amnistia Internacional (AI).

Em comunicado, a organização de defesa dos direitos humanos sediada em Londres considera que os dirigentes dos países na principal rota seguida pelos migrantes nos Balcãs e na Europa Central “não podem deslocar-se para esta nova reunião em Bruxelas sem um plano de ação realizável que proteja as necessidades e direitos” daquelas pessoas.

A AI alerta que atualmente nos Balcãs se registam temperaturas abaixo de zero à noite e que muitos migrantes acampam ao ar livre de passagem pela Sérvia, Croácia, Eslovénia e Áustria.

Publicidade

Com a aproximação do inverno, “o facto de existirem milhares de migrantes dormindo ao relento no seu caminho pela Europa representa o fracasso da União Europeia (UE) na altura de dar uma resposta direta e coordenada à crise dos migrantes”, disse John Dalhuisen, diretor para a Europa e Ásia Central da AI.

Dalhuisen indicou que os investigadores da Amnistia Internacional encontraram na passada quinta-feira em Brecize, cidade na Croácia próxima da fronteira eslovena, “cerca de 2.000 migrantes acampados ao relento com temperaturas de cinco graus”.

“A UE tem mecanismos e, em conjunto, o dinheiro para assegurar as condições de acolhimento adequadas para todos os refugiados e imigrantes que chegam, devem utilizá-los para acabar com a marcha de miséria de centenas de milhares” de pessoas, assinalou a organização.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, convocou para domingo uma reunião extraordinária na qual líderes europeus procurarão uma resposta para a crise migratória através dos Balcãs.

A cimeira em Bruxelas vai reunir os líderes da Macedónia e da Sérvia, que não são estados-membros da UE, com os líderes de oito países do bloco europeu: Áustria, Bulgária, Croácia, Alemanha, Grécia, Hungria, Roménia e Eslovénia.

A Bulgária, a Roménia e a Sérvia ameaçaram hoje fechar as suas fronteiras se os países da União deixarem de aceitar migrantes.

De acordo com o primeiro-ministro búlgaro, Boyko Borisov, os três países querem uma solução para a crise à escala europeia, mas não estão preparados para se tornar uma “zona tampão” para as dezenas de milhares de recém-chegados.

Artigo anteriorMartifer anuncia acordo para a alienação do negócio de construção no Brasil
Próximo artigoVítor Pereira apresenta queixa-crime contra Marco Ferreira

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui