Início Economia Energia Galp vai explorar petróleo no mar de São Tomé e Príncipe

Galp vai explorar petróleo no mar de São Tomé e Príncipe

A Galp Energia anunciou esta terça-feira que vai, juntamente com a Kosmos Energy, começar a explorar petróleo no mar de São Tomé e Príncipe após o governo daquele país lhe ter atribuído uma concessão. Por LUSA

979
0

Galp Energia chegou a acordo com o Governo de São Tomé e Príncipe e a Kosmos Energy “para a atribuição do Bloco 6, no ‘offshore’ de São Tomé e Príncipe”.

Neste acordo, a Galp Energia “terá a operação do bloco e uma participação de 45%, a Kosmos Energy 45% e a Agência Nacional do Petróleo (ANP), em representação do governo, uma participação de 10%”, afirma a petrolífera portuguesa em comunicado.

O Bloco 6 encontra-se na Zona Económica Exclusiva de São Tomé e Príncipe em profundidades de água de até 2.500 metros e cobre uma área de 5.024 km2.

Publicidade

Nesta primeira fase, a empresa portuguesa e os seus parceiros comprometeram-se a realizar atividades de exploração, incluindo aquisição sísmica, durante os quatro anos da primeira fase do período exploratório.

Segundo a Galp Energia, esta aquisição “permite à empresa o acesso como operadora a uma área de fronteira, numa nova geografia, enquanto mantém uma posição financeira sólida”.

A Kosmos Energy, empresa parceira da Galp Energia, dedica-se à exploração e produção de petróleo e gás natural focada em áreas emergentes e de fronteira ao longo da Margem Atlântica.
Os seus ativos incluem projetos em fase de produção e outros em desenvolvimento no ‘offshore’ do Gana bem como licenças de exploração com potencial significativo de hidrocarbonetos no mar da Mauritânia, Marrocos, Portugal, Senegal, Suriname e Saara Ocidental.

A Kosmos Energy é uma sociedade cotada no New York Stock Exchange (NYSE) sob o símbolo KOS.

A Galp Energia refere no comunicado que “continua focada em executar os seus projetos de desenvolvimento de classe mundial, especialmente no Brasil e em Moçambique, mantendo um portefólio diversificado de exploração e de avaliação que assegure um nível de produção sustentável na década de 2020”.

Artigo anteriorAngolano Luaty Beirão terminou greve de fome em Luanda
Próximo artigoMetade das famílias portuguesas vive com menos de mil euros por mês – DECO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui