Início Culturas 13.º Festival Temps D´Images traz 23 espetáculos e discussão criativa a Lisboa

13.º Festival Temps D´Images traz 23 espetáculos e discussão criativa a Lisboa

866
0

A 13.ª edição do Temps D´Images começa na quarta-feira, com “Amor e Política”, de Maria Gil e Miguel Bonneville, um dos 23 espetáculos que o certame vai apresentar até 24 de janeiro, anunciou hoje a organização.

De acordo com a programação deste festival com caráter experimental e transdisciplinar, que privilegia espetáculos que cruzem as artes do palco com as da imagem, a 13.ª edição envolve 26 artistas e 13 programadores.

Este ano, segundo a organização, o Temps D’Images vai estrear 25 novas criações nacionais, abrindo na quarta-feira, com “Amor e Política”, uma palestra/performance de Maria Gil e Miguel Bonneville, na Negócio ZBD.

Publicidade

Inspirados na máxima do feminismo radical dos anos setenta do século XX, que proclamava que a esfera pessoal é também política, apresentam esta nova criação dedicada ao tema “Amor e Política”.

Conferências e competições de cinema e de artes performativas fazem igualmente parte de um programa que reúne projetos da dança ao teatro, dos estaleiros criativos ao cinema e instalação.

Ágata Pinho, Alexandre Pieroni Calado, Andresa Soares, Barbara Matijevic, Capicua, Carlota Lagido, Elmano Sancho, Giuseppe Chico, Gustavo Ciríaco, Joana Pimenta, Jonas Lopes, Mara Castilho, Maria Gil, Mariana Tengner Barros, Miguel Bonneville, Pedro Manuel, Ricardo Cabaça, Rui Catalão, Sónia Batista, Tiago Cadete e Vitalina Sousa são alguns dos artistas que participam nesta edição.

O Temps D’Images, em Lisboa desde 2003, mantém como objetivos aproximar artistas através de encontros e discussões criativas, e possibilitar a visibilidade e circulação dos trabalhos apresentados através de parcerias, nacionais e internacionais.

Entre as novidades está a edição inaugural do Loops.Lisboa – Artes Visuais – Cinema e Vídeo, com a apresentação de três de entre mais de uma centena de obras recebidas: “O Retrato de Ulisses”, de João Cristóvão Leitão, “Travel Shot”, de Francisca Manuel e Elizabete Francisca, e “Cascade”, de João Pedro Fonseca, a ser exibidos no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado.

Outro desafio lançado pelo festival, aos jovens artistas das artes performativas, foi a iniciativa “Lugar do Olhar”, em parceria com o Teatro Nacional D. Maria II, onde serão apresentadas três criações escolhidas por um júri constituído por Jorge Salavisa, Tiago Rodrigues e António Câmara.

São elas: “Erasure”, de Pedro Manuel, “Stop motion para Eadweard”, de Ricardo Cabaça, e “O Fosso dos Heróis”, de Ágata Pinho.

Nesta edição, a programação percorre 16 espaços da capital: Teatro Nacional D. Maria II, São Luiz Teatro Municipal, Maria Matos Teatro Municipal, Teatro da Politécnica, Espaço Alkantara, Cão Solteiro, Centro Cultural de Belém, Clube Estefânia, Museu do Chiado, Carpe Diem – Centro de Arte e Pesquisa, Universidade Católica, LX Factory, Negócio ZBD (Zé dos Bois), Teatro Taborda e Appleton Square.

A programação é assinada por António Câmara Manuel, diretor do festival, Aida Tavares, Alisson Avila, Emília Tavares, Irit Batsry, Jorge Salavisa, Jorge Silva Melo, Lourenço Igreja, Madalena Wallenstein, Mark Deputter, Maria Furtado, Tiago Rodrigues e Thomas Walgrave.

Artigo anteriorCâmara de Coimbra aprova parecer prévio para intervenção de 6,5 ME no Mondego
Próximo artigoEuro2016: Luxemburgo perde com a Eslováquia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui