Início Serviços Angola/Covid-19: Transportadora aérea não prevê “por enquanto” ligação Lisboa/Luanda

Angola/Covid-19: Transportadora aérea não prevê “por enquanto” ligação Lisboa/Luanda

115
0

A transportadora aérea angolana TAAG não prevê, “por enquanto”, voos humanitários na rota Lisboa/Luanda para repatriar angolanos, mas prepara a programação para retomar após as restrições, devido à covid-19, disse fonte da companhia.

“Não temos previsão de realizar (…) Lisboa/Luanda para repatriar nossos cidadãos nacionais que estejam em Lisboa”, afirmou hoje o diretor comercial da companhia Carlos Von Hafe, quando questionado pela Lusa.

O responsável que falava em conferência de imprensa de anúncio da chegada da primeira aeronave do modelo Dash8-400 ao país, prevista para segunda-feira, afirmou que a transportadora está já a programar a retoma dos voos quando reabrir o espaço aéreo.

Publicidade

Carlos Von Hafe assegurou que “oportunamente” a TAAG vai comunicar quantas frequências irá operar para as rotas já existentes e “eventualmente se teremos o caso de suspensão de algumas rotas”.

“Muito em breve nos iremos pronunciar relativamente a esta questão das frequências”, respondeu à Lusa.

Para o diretor comercial da TAAG, a entrada em funcionamento da frota das seis aeronaves do tipo Dash8-400 irá refletir-se na redução do consumo de combustível, dos custos de manutenção, dos custos de operação em terra, entre outros.

Os novos aviões, adquiridos ao construtor aeronáutico canadiano De Havilland Aircraft, devem “viabilizar a sustentabilidade da empresa”, segundo o responsável.

Questionado pela Lusa sobre a perspetiva da viabilização da companhia que se encontra tecnicamente falida, Von Hafe, escusou-se a abordar estas questões e falou apenas em “eficiência operacional e financeira”.

“Estas novas aeronaves vão protagonizar uma série de redução de custos operacionais, como a redução do consumo do combustível, quando comparamos com o Boeing 737 para o nosso destino doméstico”, justificou.

O consumo de combustível “representa para a companhia e para toda a operação, não só para a TAAG, mas sim para outras companhias também, cerca de 25% dos custos operacionais globais da companhia”, indicou, acrescentando que a afetação destas aeronaves terá impacto na redução dos custos.

“Poderemos obter naturalmente aqui alguns ganhos”, concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.