Início Mundo Lusofonia Associação Caboverdeana celebra 50 anos com parabéns de Marcelo e Jorge Carlos...

Associação Caboverdeana celebra 50 anos com parabéns de Marcelo e Jorge Carlos Fonseca

176
0
Os presidentes português e cabo-verdiano participam, no sábado, numa gala de comemoração do 50.º aniversário da Associação Caboverdeana de Lisboa, uma organização emblemática da cultura cabo-verdiana em Portugal.

Marcelo Rebelo de Sousa e Jorge Carlos Fonseca são aguardados num evento, que reunirá algumas das expressões mais representativas da cultura cabo-verdiana em Portugal e durante a qual a instituição será condecorada pelo Presidente da República de Cabo Verde.

“Vai ter um programa extremamente rico, que vai da louvação da morna, a sessões de batuco, grupos corais e de poesia, além de exposições de pintura dos nossos maiores pintores residentes em Portugal, artesanato e ainda o “Cola son Jon” [festa tradicional de São João]”, disse à agência Lusa o presidente da Associação Caboverdeana de Lisboa (ACV), José Luís Hopffer Almada.

Antes da gala, decorrerá, ao longo de todo o dia de sábado, uma conferência sobre o movimento associativo e a comunidade cabo-verdiana em Portugal.

Publicidade

“A conferência vai refletir sobre o movimento associativo cabo-verdiano em Portugal e vai aos primórdios, aos tempos da República em que, em Lisboa, havia muitos jornais pan-africanistas e pan-negristas e muitas organizações de defesa dos africanos”, apontou o presidente da ACV.

“Vão ser autênticos seminários sobre a História dos cabo-verdianos e dos africanos em Portugal”, acrescentou.

As comemorações decorrem na Casa do Alentejo, lugar que acolheu, em 1969, as reuniões preparatórias que levariam à criação da então Casa de Cabo Verde, em 1970.

A associação teve várias denominações do longo da sua História, refletindo muitos dos movimentos políticos que se viviam em Cabo Verde, mas também na Guiné-Bissau.

Instalada quase desde o início no oitavo andar do n.º 2 da Rua Duque de Palmela, na zona do Marquês de Pombal, de Casa de Cabo Verde passou a Associação de Cabo-Verdianos e Guineenses, em resultado da fusão com o movimento Acção Democrática de Cabo Verde e Guiné-Bissau, grupo político de apoio ao Partido Africano para a Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde (PAIGC).

O golpe de Estado de Nino Vieira, na Guiné-Bissau, e a rutura do processo de unidade da Guiné-Bissau e Cabo Verde, preconizada por Amílcar Cabral, levou à refundação como Associação Caboverdeana de Lisboa, nome que manteve até hoje.

“Mesmo quando tinha outras denominações, a associação sempre se ocupou mais com a comunidade cabo-verdiana, que era já a comunidade de origem estrangeira dominante em Portugal. Já tinha tido lugar o grande êxodo dos cabo-verdianos para Portugal e existia uma comunidade muito numerosa e diversificada”, recordou José Luís Hopffer Almada.

“É toda essa história que vem do tempo colonial que vamos celebrar”, acrescentou.

Meio século depois da fundação e com algumas “mudanças de perfil” pelo caminho, Hopffer Almada adianta que a instituição é hoje “mais conhecida pela sua dimensão cultural”.

Com “uma programação rotineira” de atividades, são míticos os almoços dançantes, às terças e quintas-feiras, em que a cachupa se alia à música cabo-verdiana ao vivo para encher a casa, sobretudo de portugueses.

Com cerca de 1.000 membros, mas apenas algumas dezenas de sócios pagantes, José Luís Hopffer Almada afirmou não ter preocupações com a sustentabilidade financeira da associação, mas reconheceu que a existência de “uma vertente profissional mais vincada” permitiria desenvolver melhor as atividades da associação.

Como maiores desafios futuros, apontou a mobilização dos jovens luso-cabo-verdianos.

“Desde há alguns mandatos, a associação tem tido como dirigentes não só naturais de Cabo Verde, mas indivíduos das gerações nascidas em Portugal”, disse, assegurando que a luta pela integração em Portugal das novas gerações de descendentes de cabo-verdianos vai continuar.

Por outro lado, sublinhou o responsável, a importância do papel da associação na promoção da “dupla pertença cidadã, cultural e identitária” desses mesmos jovens.

O presidente da ACV, que está em fim de mandato, mas deverá recandidatar-se, defendeu ainda a necessidade de um maior desenvolvimento da vertente social da instituição.

Alfabetização bilingue crioulo-português, apoio à legalização ou aquisição da nacionalidade portuguesa são áreas em que a associação tem já trabalho feito, mas Hopffer Almada considera que é possível ir mais longe.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.