Início Comunidades Jornalistas portuguesas vencem prémio de direitos humanos no Luxemburgo

Jornalistas portuguesas vencem prémio de direitos humanos no Luxemburgo

250
0
As jornalistas portuguesas Paula Telo Alves e Sibila Lind venceram o prémio anual de jornalismo Amnistia Internacional 2019 no Luxemburgo, com uma reportagem multimédia sobre a situação dos sem-abrigo neste país.“Publicada em março no semanário Contacto, a reportagem “A queda de Claude: da vida de luxo a trabalhador sem-abrigo” relata a história de um luxemburguês de 59 anos, ex-funcionário bancário que chegou a ganhar mais de oito mil euros por mês, mas que acabou por ser obrigado a dormir num albergue de emergência para os que vivem nas ruas, por causa de problemas de alcoolismo, apesar de ter um emprego”, refere a Amnistia Internacional em comunicado.

No Luxemburgo, há pelo menos 30 trabalhadores em situação de pobreza que recorrem às instalações do dormitório para sem-abrigo, aberto apenas no Inverno, segundo dados da Caritas citados na reportagem premiada.

Dos três finalistas ao prémio, que avalia trabalhos jornalísticos sobre direitos humanos, fazia parte ainda um documentário da televisão luxemburguesa RTL sobre o ‘jihadista’ de origem portuguesa Steve Duarte e uma reportagem da revista Télécran, também sobre os sem-abrigo.

O júri da edição deste ano incluía a presidente do Conselho de Imprensa do Luxemburgo, Ines Kurschat, jornalistas premiados e membros de ONG luxemburguesas.

Publicidade

Paula Telo Alves, que é também correspondente da Agência Lusa no Luxemburgo desde 2013, foi jornalista do semanário Contacto de 2006 a junho de 2019.

Sibila Lind, que assina o vídeo da reportagem multimédia, começou no jornal Público, tendo sido prémio Gazeta Revelação em 2015 e obtido também o prémio de Direitos Humanos e Integração da Unesco. É jornalista no Contacto, semanário português no Luxemburgo, desde setembro de 2018.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.