Início Ambiente Miranda do Douro investe meio milhão de euros em ecocentro para estudo...

Miranda do Douro investe meio milhão de euros em ecocentro para estudo de cogumelos

125
0

O município de Miranda do Douro investiu perto de meio milhão de euros num ecocentro dedicado ao estudo e produção de cogumelos e num guia de campo sobre estes fungos, disse hoje à Lusa o presidente da câmara.

O denominado “Ecocentro Micológico Terras de Miranda” trata-se, segundo Artur Nunes, “de uma estrutura inovadora, dada a sua vertente científica”, sendo apresentada pela primeira ao público e aos investigadores na área da micologia.

“Aproveitando a diversidade e riqueza micológicas do território transfronteiriço, elaborámos um projeto diferenciador, direcionado não só para a interpretação das espécies de cogumelos, mas apostando também numa vertente de formação e investigação e produção das espécies existentes, com o objetivo de potenciar a produção e utilização”, concretizou o autarca transmontano.

Publicidade

O projeto conta com o apoio científico da Universidade de Valladolid (Espanha) e da Associação “A Xixorra”-Associação Micológica da Terra Fria Transmontana.

O Ecocentro Micológico Terras de Miranda consiste num edifício em madeira, que contempla sala interpretativa, sala de formação e “showcooking”, laboratório, gabinetes técnicos e ainda um centro de produção, onde se desenvolverão atividades educacionais e de investigação relacionadas com a micologia.

“No ecocentro de produção iremos testar as melhores condições para o desenvolvimento da micologia, com particular incidência na trufa, já que este fundo de qualidade superior abunda em algumas zonas do concelho”, adiantou Artur Nunes.

O novo centro micológico está implantado no Parque Fluvial do Rio Fresno, junto à cidade de Miranda do Douro, no distrito de Bragança, e terá uma “forte componente interativa”, segundo os seus responsáveis.

“Estamos localizados numa zona rural, abrangida por um parque natural e pela Reserva da Biosfera da Meseta Ibérica, com condições edafoclimáticas ótimas para a micologia e para a cultura das trufas”, enfatizou o autarca.

Nos últimos anos a apanha de cogumelos silvestres comestíveis deixou de ser uma atividade familiar de escassa importância, para se tornar, de acordo com a autarquia, num aproveitamento natural que move a cada ano milhares de toneladas de produto comercializado e vários milhares de euros.

No âmbito da abertura ao público deste equipamento, está programando o lançamento do guia “Cogumelos Silvestres da Terra de Miranda – guia de campo”.

“A produção deste guia é um dos elementos do projeto, que se afigura essencial na divulgação dos recursos micológicos existentes na região, possuindo ótimas ilustrações e descrições, que são uma mais-valia para enveredar na aventura da descoberta do mundo dos cogumelos silvestres”, concretizou Artur Nunes.

O Ecocentro Terras de Miranda foi financiado em 85% pelo programa Norte 2020 e tem como parceiro a Associação Xixorra – Associação Micológica da Terra Fria.

Ambas a iniciativa estão inseridas nas VI Jornadas Micológicas do concelho de Miranda do Douro, que prolongam até domingo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.