Início Desporto Futebol David Wright: “Talvez há 30 anos o futebol fosse apenas um desporto,...

David Wright: “Talvez há 30 anos o futebol fosse apenas um desporto, agora é um negócio, é entretenimento, é uma economia global”

213
0

O futebol mudou, foi inevitável. O crescimento da modalidade criou uma indústria de milhões. Só neste milénio assistimos a um aumento significativo das receitas de transmissão de jogos, vimos transferências de jogadores por valores nunca antes praticados. Agora, discutimos o crescimento do futebol feminino e o impacto da introdução de tecnologia. Futebol hoje é mais do que um desporto e é isso mesmo que se vai discutir em Oeiras, no Soccerex Europe, durante estes dois dias. O SAPO 24 falou com David Wright, diretor de marketing da Soccerex e adepto do Chelsea, o exemplo perfeito de um clube moldado pela convergência entre o futebol e outros mundos.

Esta quinta e sexta-feira, Portugal recebe o Festival de Cannes do futebol. Pelo menos era assim que Duncan Revie, filho do antigo selecionador inglês e treinador do Leeds, Don Revie, fundador da Soccerex, se costumava referir aos eventos que organizava pelo mundo fora e que colocavam o futebol, o negócio e indústria que o envolve em perspetiva.

Em Oeiras, vai discutir-se o futuro do futebol. Em parceria com a Liga Portugal, a Federação Portuguesa de Futebol, a La Liga e a Câmara Municipal de Oeiras, a Soccerex traz a Portugal o Soccerex Europe, naquele que é um regresso ao velho continente após dois eventos nos “dois maiores mercados futebolísticos emergentes”, China e Estados Unidos.

Publicidade

O termo ‘futuro do futebol’ é muito lato. Há que o afunilar e ninguém melhor do que David Wright, diretor de marketing de Soccerex e adepto do Chelsea, retrato de um clube moderno que nasce precisamente deste encontro entre a modalidade e o mundo corporativo, para nos explicar o que vai acontecer.

David diz que se lembra perfeitamente do primeiro evento da Soccerex em que participou, quando os painéis eram só sobre o que acontecia dentro de campo, e de como foi evoluindo até aos dias de hoje, em que os negócios e a tecnologia estão no centro da discussão.

Ao mesmo tempo, fala-nos do dia em que o pai, acabado de chega a casa, lhe disse que o seu clube do coração tinha acabado de ser comprado “por uns russos”, algo que não o incomoda de forma nenhuma. “As pessoas acusam-nos de ter comprado sucesso, mas tem sido ótimo viver esse sucesso”, diz.

Perguntámos a David se acha que o crescimento do futebol feminino vai ser o próximo grande tema: “não sei como é em Portugal, mas no Reino Unido o Mundial mostrou-me que os adeptos querem ver os jogos das equipas femininas, mas há um conflito: são há mesma hora que os jogos das equipas masculinas. Portanto, se és adepto do clube, não consegues ver os dois jogos. Tens de conseguir alcançar o nível certo de organização e perfeccionismo”. Pareceu-nos que sim.

Esta é uma conversa sobre um legado, de apelido Revie, sobre Portugal, um país líder no mundo do futebol, sobre as mudanças na última década na modalidade e da memória da entrevista em que Diego Maradona brinca sobre um dos golos mais míticos da história, a Mão de Deus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.