Sábado, 24 de Agosto de 2019
Início Sci-Tech Tecnologias de Informação Aplicação portuguesa para contabilizar redução de emissões de CO2 vai ser testada...

Aplicação portuguesa para contabilizar redução de emissões de CO2 vai ser testada em Nova Iorque

215
0

A aplicação ‘Ayr’, desenvolvida em Portugal, de contabilização de reduções de emissões de dióxido de carbono (CO2), vai “começar a operar no último trimestre deste ano” em Nova Iorque, anunciou hoje o investigador responsável pelo projeto.

Pedro Gaspar, diretor do núcleo Future Business Technology do Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto (CEiiA) e um dos investigadores responsáveis pela criação da aplicação, disse à Lusa que apesar de “ainda não poder revelar quem são os parceiros” norte-americanos, o lançamento de um piloto da ‘Ayr’ em Nova Iorque “representa muito” para o centro de engenharia sediado em Matosinhos.

A aplicação para ´smartphones’, que brevemente vai estar disponível para os sistemas operacionais iOS (Apple) e Android, vai começar a funcionar em junho em Matosinhos e Cascais.

Publicidade

Segundo o investigador, foi depois de “várias conversas” com decisores locais durante a conferência ‘Smart Cities New York’, que decorreu no dia 10 de maio em Nova Iorque, que ficou decidido testar a utilização da ‘Ayr’ na principal cidade norte-americana.

A aplicação, que começou a ser desenvolvida há cerca de dois anos, surgiu de “um desafio” proposto pelas Nações Unidas relacionado com a descarbonização das cidades e com a redução das emissões de CO2 e pretende “ajudar o utilizador a tomar decisões sustentáveis no seu dia-a-dia”, permitindo “quantificar a poupança” que cada utilizador faz de emissões de CO2, “valorizar essa poupança” através da criação de uma moeda digital (a ‘Ayr’) e “transacionar esse valor” na conta de cada utilizador.

Ao optar, por exemplo, por usar transportes elétricos ou públicos, o utilizador está a “contribuir para a poupança de CO2” e essa poupança, conforme explicou Pedro Gaspar à Lusa, é “quantificada na carteira ‘Ayr'”.

“A nossa aplicação funciona apenas como uma carteira digital para guardar os ‘Ayr’. Não precisamos de saber informações sobre o utilizador”, disse, adiantando que essa informação é obtida através dos “parceiros de mobilidade” que integram a plataforma.

“Se o utilizador estiver a utilizar um determinado operador de mobilidade que esteja dentro do sistema ‘Ayr’, essa informação chega-nos e nós quantificamos, fazendo-a chegar até à carteira do utilizador”, referiu.

As “moedas” obtidas pelo utilizador podem ser utilizadas “em produtos que ajudem a diminuir o impacto ambiental”, disse o investigador, acrescentando, no entanto, que isso “depende da estratégia utilizada em cada cidade”.

“A plataforma é desenhada de baixo para cima, isto é, a partir da pessoa. Isto só vai funcionar se nós conseguirmos chegar à pessoa e conseguirmos, efetivamente, ter utilidade no contexto de vida da pessoa”, concluiu Pedro Gaspar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.