Início Comunidades Estarreja preparada para regresso de emigrantes da Venezuela – Câmara

Estarreja preparada para regresso de emigrantes da Venezuela – Câmara

78
0
Foto: C.M. ESTARREJA /DR

O presidente da Câmara de Estarreja, Diamantino Sabina, afirmou hoje que o município está preparado para o regresso de mais emigrantes da Venezuela, mas também para dar resposta a quem chega do Brasil e de outras origens.

Diamantino Sabina falava na inauguração do Gabinete de Apoio ao Emigrante de Estarreja (GAE), onde admitiu que “a questão da Venezuela foi o motivo maior para que rapidamente fosse criado o gabinete de apoio que está a partir de hoje a funcionar”, mas salientou que “outros fenómenos que não só os venezuelanos vão ocorrendo”, a que o gabinete procura dar resposta.

“Nestes tempos mais complicados temos muita gente do Brasil e também de países africanos. Nós, em Estarreja, estamos preparados com este novo gabinete e esperamos estar à altura das necessidades destas pessoas que procuram guarida em Portugal”, disse.

O presidente da Câmara realçou que Estarreja tem uma larga tradição migratória, sobretudo no século passado, com destino para a Venezuela, mas também para o Brasil, para França, para os Estados Unidos da América e para outros países, sendo a Venezuela proeminente, o que explica a vaga de emigrantes e luso descendentes venezuelanos que regressam ao município.

Foto: C.M. Estarreja /DR

“Qualquer esquina de Estarreja mostra alguma faceta da Venezuela e muitos venezuelanos irão vir. Nós estamos aqui preparados para os receber o melhor possível”, declarou o autarca, que não soube precisar quantos já regressaram desde que se acentuou a crise venezuelana.

“Acredito que sejam muito mais do que mil, pois sabemos que há muitos emigrantes venezuelanos a procurar Estarreja por relações familiares, mas também pelo que tem sido a atividade da SEMA (associação empresarial), que tem orientado essas pessoas e conseguido arranjar-lhes emprego”, disse.

José Valente, presidente da SEMA, revelou que aquela associação empresarial, durante o ano de 2018, colocou mais de 500 oriundos da Venezuela no mercado de trabalho e que, só no mês de janeiro de 2019, esse número está próximo da centena.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados da ONU.

Na Venezuela, antiga colónia espanhola, residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.